ONU elogia Governo Dilma por criar Comissão da Verdade

MÍDIA | Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York

O diretor da América Latina e Caribe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, elogiou o governo Dilma Rousseff pela criação da Comissão da Verdade e Reconciliação no Brasil. Ex-membro do Governo de Salvador Allende, no Chile, Heraldo Muñoz lutou contra a ditadura de Augusto Pinochet, que chegou ao poder em 1973 após um golpe militar. Nesta entrevista à Rádio ONU para marcar o Dia Internacional da Democracia, no último sábado, Muñoz disse que o Brasil tomou a decisão certa ao apurar as violações de direitos humanos do passado. “Não há reconciliação sem justiça. As feridas não podem ser fechadas simplesmente com o passar do tempo. Ao final, os familiares das vítimas querem saber o que aconteceu. E se um país simplesmente esquece, isso é sinal de impunidade porque se há pessoas, que participaram nas torturas, nos assassinatos caminhando nas ruas, isso é um sinal muito ruim para a justiça. E acho que a presidenta Dilma tem feito uma iniciativa muito corajosa ao fazer o que ela fez”. A Comissão da Verdade pretende apurar crimes e violações de direitos humanos ocorridas desde a década de 40 até 1988 no Brasil. O órgão tem sete membros nomeados pela presidente Dilma Rousseff em maio passado incluindo o professor Paulo Sérgio Pinheiro, atual presidente da Comissão de Inquérito das Nações Unidas sobre a Síria.

Categorias: Tags: , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *