Os 150 anos do padre que inventou o rádio

José Maria Tomazela

Se fosse possível aplicar o teste de paternidade aos grandes inventos, o DNA do rádio apontaria como um de seus progenitores um brasileiro – o padre gaúcho Roberto Landell de Moura, que ontem teria completado 150 anos. Apresentado publicamente em 1894, o transmissor de ondas criado pelo clérigo cobria o dobro da distância do aparelho do físico italiano Guglielmo Marconi, lançado um ano depois. Apesar disso, o italiano é considerado o pai do rádio, enquanto o padre Landell segue no mais completo anonimato. Para tentar corrigir o que consideram um erro histórico, radioamadores, pesquisadores e admiradores lançaram o Movimento Landell de Moura (MLM), que tenta coletar 1 milhão de assinaturas para que o padre seja reconhecido pelo governo brasileiro como precursor das telecomunicações. “Sem esse reconhecimento oficial, ele não entra na história e não vai para as salas de aula, o que é lamentável”, afirma o jornalista Eduardo Ribeiro, um dos divulgadores.

Ele compara Landell a Santos Dumont, com a diferença de que o pai da aviação é reconhecido por seu feito. “A história de ambos tem início parecido, pois Dumont ganhou visibilidade em Paris, enquanto Landell, depois de ser apontado como louco por aqui, foi patentear seus inventos nos Estados Unidos.”

Ribeiro chama a atenção para o contexto da época: o Brasil era um país agrícola, atrasado e recém-saído da escravidão. “Não se imaginava que um brasileiro pudesse inventar algo impensável, como transmitir a voz sem fios.”

Pioneiro. Landell foi mais longe, assegura o escritor e jornalista Hamilton Almeida, autor do livro Padre Landell de Moura: Um Herói sem Glória (Record). Para ele, o brasileiro foi pioneiro também no desenvolvimento de aparelhos para a transmissão de imagens – embriões da televisão – e de textos – os teletipos. “O Marconi acabou levando a fama de inventar o rádio, mas o que ele desenvolveu foi o telégrafo sem fio, transmitindo sinais em código. Na mesma época, o aparelho do padre Landell transmitia não só os sinais, mas também a voz humana e sons musicais. A importância desses inventos para a humanidade é indiscutível.”

Segundo Almeida, ele previu que as ondas curtas podiam aumentar a distância das comunicações e usou a luz na tentativa de enviar mensagens, o princípio das fibras óticas. “Tudo está documentado por manuscritos, patentes, testemunhas e o noticiário da época.”

Na volta ao Brasil, o cientista procurou, mas não conseguiu apoio do governo. Almeida conta que, ao pedir ao presidente Rodrigues Alves dois navios para testar a transmissão de som na Baía de Guanabara, teve o pedido vetado por um assessor presidencial que o chamou de “maluco”. “O Marconi fez o mesmo pedido na Itália e teve uma frota inteira à disposição”, comenta. Acusado de ter “parte com o demônio” por falar através de caixas, foi perseguido e teve seus inventos destruídos pelos fiéis, relata Almeida.

Embora tardiamente, o pai brasileiro do rádio começa a ser reconhecido. Entre os eventos que marcam os 150 anos, está o lançamento de um selo comemorativo pelos Correios em Brasília, São Paulo e Porto Alegre. Um projeto de lei do senador Sérgio Zambiasi (PTB-RS) prevê a inclusão do nome do padre no Livro dos Heróis da Pátria, depositado no Panteão Tancredo Neves, onde já figuram personalidades como Santos Dumont, Oswaldo Cruz, Tiradentes e Zumbi dos Palmares. A Câmara de São Paulo também propôs a ele o título pós-morte de Cidadão Paulistano.

PARA LEMBRAR

No Brasil, o “furo” da criação de Landell foi dado pelo Estado, que anunciou a transmissão pioneira em julho de 1899. Nos EUA, o brasileiro mereceu ampla reportagem do jornal The New York Herald, em outubro de 1902, com o título: “Padre Landell de Moura – inventor do telefone sem fio”. Na época, era essa a denominação dada para a transmissão da voz à distância sem fio condutor. (O Estado de S.Paulo). Colaborou Joaquim Corrêa.

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Caros Ouvintes, Caros Ouvintes. Caros Ouvintes said: Os 150 anos do padre que inventou o rádio: José Maria Tomazela Se fosse possível aplicar o teste de paternidade … http://bit.ly/hAKSVJ […]

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *