Os Anos Dourados do Rádio e a PRB2

No Paraná, a Rádio Clube Paranaense, que teve a primazia de estar entre as primeiras emissoras a operar no Brasil, manteve por longos anos uma programação semelhante a sua coirmã carioca. Nascida em  1924 com prefixo SQIJ, a Rádio Clube Paranaense iniciou suas atividades com um pequeno transmissor de oito watts de potência. A primeira emissora de rádio do Paraná foi ao ar com todas as dificuldades técnicas da época, graças a determinação de um grupo de pessoas da sociedade local, entre eles, Lívio Moreira, Ludovico Jouvert, Francisco Fido Fontana, Euclides Requião, Bertholdo Hauer, João Alfredo Silva, Gabriel Leão Veiga, Olavo Bório, Alberto Xavier de Mirando e Oscar Plácido e Silva.

Em 1935 a nova emissora recebeu o prefixo que a tornou conhecida no Brasil e no mundo: PRB2. Pioneira na transmissão de radioteatro chegou a superar suas concorrentes em número e qualidade dos programas que apresentava. As  novelas marcaram um capítulo especial na história da mais antiga rádio do Paraná. Em muitos momentos os profissionais paranaenses, conseguiram conquistar parte muito expressiva de um público ouvinte que costumava manter seu receptor em sintonia permanente com a Rádio Nacional do Rio de Janeiro.

Enquanto a emissora carioca provocava suspiros apaixonados e grandes emoções nos ouvintes de suas novelas, tendo como interpretes os radialistas mais famosos do país, a Rádio Clube Paranaense apostava no talento local para ganhar pontos em sua audiência. O sucesso  das novelas dirigidas por Ivo Ferro, tinha como ingrediente básico o grande talento de artistas como Ary Fontoura, Maurício Távora, Lurdes Maria, Sinval Martins, Cordeiro Junior, Rubens Rollo, Manoel Muzillo, Telmo Faria, Odelair Rodrigues , Edson e Delcy D’Avila, Danilo Aveleda, Lala Scheneider.

O elenco de radiadores, com mais de 70 profissionais, entre contratados e os chamados “cachês”, mantidos durante, muitos anos no quadro de funcionários, foi responsável por um feito extraordinário na história do nosso rádio. Chegaram a colocar no ar, simultaneamente, 13 novelas, todas de autores consagrados como Janete Clair, Ivani Ribeiro, Dulce Santucci, Álvaro Rocha, Carlos Silva e Nara Navarro.

Na década de 1950, houve um período em que a Rádio Clube Paranaense começava a apresentar novelas a partir das 08h30 da manhã, num esquema de programação que representava um desafio para diretores e artistas. Ás 08h30 era apresentada a novela “Cabocla Linda” de Dulce Santucci, que ia ao ar as terças, quintas e sábados com patrocínio de Biotônico Fontoura. Nos mesmos dias, porém, ás 10h30 da manhã a novela “Abismos Insondáveis” de Álvaro Rocha tinha patrocínio da Companhia Gessy. Nas segunda, quartas e sextas, também ás 10h30, os incansáveis profissionais da Rádio Clube apresentavam a novela de Nara Navarro, “Sempre te Amei”. A mesma autora era responsável pela novela das 13h05 com o título de “Maria Inês”, apresentada de segunda a sexta com patrocínio do Regulador Xavier. Antes do anoitecer, mais três novelas eram apresentadas: “Segue o Teu Caminho, de Carlos Silva, ás 14h35, patrocinada por Maisena Dureya, “Braços Vazios” de Nara Navarro ás 16 horas, patrocinada pela Kolynos, “A Menina do Veleiro Azul” de Ivani Ribeiro, ás 17 horas, patrocinada por sabonete Lever, e ás 20 horas disputando a grande audiência noturna com as maiores emissoras do país, a novela “Juramento” de Nara navarro encerrava o período noveleiro na programação diária da emissora.

 

2 respostas
  1. raquel luciano obristo says:

    Minha mãe comenta de uma radio novela de Nara navarro, segundo ela chamava-se “SÓ O AMOR NÃO MORRE” gostaria de saber se era esse o nome mesmo? e saber sobre esta radionovela?é possivel?

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *