Os velhos radialistas e seus novos sonhos

Quando recebi a noticia de meu médico e amigo, Dr. João Batista, a primeira coisa que me veio à cabeça, não foi os filhos ou netos, mas a possibilidade de nunca mais poder trabalhar em rádio. Se for assim, não valeria a pena viver mesmo.

J Pimentel

Renascer. Docedia.wordpress

Quando o médico me informou que o tumor de meu rim direito beirava 10 centímetros, eu desapareci na cadeira, à sua frente. Num único minuto, senti toda minha vida desaparecer, meus sonhos definharem e minha esperança diminuir.

Quem já viveu momentos assim, sabe o que quero dizer. Repentinamente você sente que sua vida chega ao fim e remete seus pensamentos a tudo o que já viveu e gostaria ainda de viver.

Passado o primeiro e duro impacto, você começa a cuidar do mal que lhe afeta, sem a certeza de que tudo poderá dar certo e voltar ao normal.

Até aqui, eu era um ser imbatível, que nunca envelheceria, um super-homem na minha imaginação e na imaginação de todos os que me ouvem, ou puderam ouvir todas as coisas que criei através dos anos.

Quando recebi a noticia de meu médico e amigo, Dr. João Batista, a primeira coisa que me veio à cabeça, não foi os filhos ou netos, mas a possibilidade de nunca mais poder trabalhar em rádio. Se for assim, não valeria a pena viver mesmo.

Pode parecer tolice, mas desde que meu pai comprou nosso primeiro rádio, em 1951, eu sabia o que queria ser: radialista. A partir de então, tudo na minha vida foi feito em função do rádio, onde comecei aos 17 anos e agora, depois de 50 anos de profissão, ainda me sentia um principiante, com as mesmas emoções e paixões dos primeiros dias. Radialismo é um sacerdócio. Não tem como mudar isso.

Vivi os momentos gloriosos do rádio AM, fui um dos pioneiros em FM, criei dezenas de programas e trabalhei com profissionais magníficos e, graças ao rádio, viajei boa parte do mundo, sempre nessa incrível profissão.

O rádio mudou, as tecnologias evoluíram, as possibilidades se tornaram infinitas, mas o espírito do rádio continua intacto, me permitindo viver cada dia buscando novidades, atualizações, a renovação das ideias e conteúdos. Isso me manteve sempre jovem, sempre dentro do meu meio como um adolescente aprendendo coisas todos os dias.

Mas a realidade do tempo é ingrata com seus filhos mais velhos, que precisam abrir espaço aos mais jovens e ouvir nas veladas conversas que nos perdemos no tempo e vivemos de saudade.

Até meu ultimo trabalho, há pouco mais de um ano, pude comprovar que continuo um garotão nas minhas ideias e um especialista experiente na minha profissão.

Num país, onde a idade é passaporte para o desemprego, acabei recorrendo à aposentadoria, que não cobre meu plano de saúde, o que exige de mim continuar trabalhando para sobreviver. Isso não é dramático. É maravilhoso poder continuar trabalhando, sendo útil, continuar produzindo ideias e executando-as. Mas não tem mais espaço para nós.

Relembro aqui alguns grandes nomes do rádio, gênios criativos, que produziram as melhores coisas que o rádio moderno já criou e que receberam uma nota de 10 linhas no caderno de variedades dos jornais depois de partirem desta vida, como Hélio Ribeiro, Alexandre Kadunk, ou Jair Brito, para citar alguns apenas.

Claro que alguns radialistas se deram bem, ganharam muito e se prepararam para o ocaso com dignidade. Mas muitos só viveram o rádio como paixão e não como negócio, porque nunca imaginaram que iriam envelhecer, porque o rádio provoca essa distorção nas mentes sonhadoras. Somos artistas, irresponsáveis, ciganos, românticos.

Recentemente escrevi ao Ministério das Comunicações pedindo que nos concedesse, através de cooperativas profissionais, alguns canais de rádio somente para dar oportunidade à esses velhos gênios que ainda sobrevivem, para dividir com novos radialistas toda a experiência adquirida, com o objetivo de melhorar o rádio que está por vir. Não recebi qualquer resposta.

Enquanto não parto desta para a melhor, sempre pergunto: “O QUE SERÁ DE NÓS?”. Não queremos apenas respeito e reconhecimento, mas oportunidade também de poder trabalhar e continuar contribuindo para que o rádio, e todas as suas novas possibilidades tenham as velhas virtudes do encantamento, da credibilidade, da magia de sonhar.

6 respostas
  1. Deivison Hoinascki Pereira says:

    J. Pimentel, parabéns. Me emocionei ao ler tua crônica. Sou barbeiro há 17 anos e apaixonado por rádio desde criança. Lancei 3 livros, 2 de crônicas – Na cadeira do barbeiro e 1 romance – Um sonho de menino. Sou colunista dos jornais São José e Biguaçu em Foco. Cronista voluntário do Instituto Caros Ouvintes – todas as quintas-feiras. Me delonguei até aqui para dizer que só agora, aos 40 anos, iniciei como radialista. Meu programa é o Na cadeira do barbeiro Luar FM 98.3 ou http://www.radioluar.com.br – segundas-feiras as 18;00h músicas e bate papo. Meu horário é pago, dependo de apoiadores culturais. Não sei quanto tempo tenho de vida no rádio, mal acaba de começar, é emocionante, não dá para descrever. Compartilho tua alegria e tua dor. Tua emoção e realizações. Forte, forte, abraço.

  2. João Pimentel says:

    Deivison: Ciro Cesar escreveu aqui, em CAROS OUVINTES que 1 segundo no rádio é uma eternidade. Você já tem uma eternidade no rádio, apesar de ter começado agora. Não importa quanto tempo vai durar. Curta esse imenso prazer em fazer rádio e levar alegria aos seus ouvintes. Vou acompanhá-lo pela internet… Parabéns.

  3. Edemar Annuseck says:

    Grande J. Pimentel,
    Embora não nos conheçamos pessoalmente sempre trocamos idéias sobre o rádio, nossa paixão. Também fiquei emocionado com seu texto que em síntese mostra exatamente a grande realidade que muitos como nós não queremos aceitar e que outros não entendem. Tudo o que vc postou se enquadra perfeitamente no que acontece com todos nós sessentões que colocamos o rádio acima de tudo. Os atuais “gênios” não se preocupam mais com a qualidade e preferem trocar profissionais como nós por jovens. Não discuto a qualidade dos jovens mesmo porque a maioria não tem condições de “lustrar nossos sapatos”. Torço de volta a Curitiba e colaborando com a velha B2 (já tranmsmiti até ontem 22 jogos)e com o Sidnei Campos um batalhador que dirige o futebol da emissora. Espero que 2014 possa encontrar você, eu, o Sidnei e muitos outros apaixonados pelo rádio ainda mais firmes, fortes e reconhecidos. Um grande abraço e deixe que DEUS tome conta da sua saúde como está fazendo comigo. Só ele pode todas as coisas.

  4. Alice Raskin says:

    J.Pimentel,
    Fico feliz em saber que você continua fazendo o que gosta.
    Você sempre foi bom nisso.
    Muita saúde e sucesso na vida e na carreira.

  5. Vera says:

    J.Pimentel…. João
    Numa noite de insônia, distraindo-me no computador, eis que encontro suas crônicas… saudades. Desde a Rádio Cultura, em São Paulo, bons tempos. Sou a Vera, do Horto Florestal, gostaria muito de ter notícias suas… moro no mesmo lugar. Bjssss.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *