Osmar Silva, o cronista da cidade

Autor de duas crônicas diárias apresentadas pela Rádio Diário da Manhã nas décadas de 1950 e 1960, Osmar ao mesmo tempo escrevia programas humorísticos e novelas e ainda se divertia fazendo poesia: Eu sei que a minha cidade, no desejo de ser grande/esperneia, faz beicinho, como crianças teimosa…
Por Martinho Callado JúniorTal como fazer jornal, fazer rádio exige tirocínio e capacidade. Então, quando se faz rádio à maneira de Osmar Silva, com talento e arte, ao mesmo tempo com exuberância de motivos e correção de estilo, a roca fia mais fino. (…) Vejamos a sua produção diária: de segunda a sábado, das 10 às 10h45min, Seqüências a Modelar que abre com a crônica Janelinha da Ilha de sua autoria. De segunda a sexta-feira, a crônica A Página do Dia, às 12h20min. As terças quintas e sábados, vários quadros humorísticos: Coitado do Abdala, Um Caipira Sabido, Os Apuros do Serafim, Joãozinho o Boa Bola, Angu de Piadas, Seu Pesadino, Um Visprinha Familiar Gumercindo o Boa Vida e ainda o Grande Jornal Mal Falado “O Mundo é uma Bola”. (…) Excelente intelectual, com essa fecunda produção diária, Osmar Silva ainda encontra tempo para se dedicar às novelas e sketchs. Entre os sketchs, peças de meia hora, podemos citar: Luz que não se Apaga, Sublime Renúncia, Não Chore, Queria, A Sombra da Traição, Minha Santa Mãe, Natal sem Você e Naquela Véspera de Natal.

Osmar Silva já apresentou cinco novelas, sendo uma humorística: Margarida, a Virgem Flor que Murchou, em cinco capítulos, O Chicote de Sinhá Moça, em cinco capítulos, A Casa do Ódio, em 20m capítulos, Sou eu o Culpado, em cinco capítulos e o Direito de Viver, em 27 capítulos. (…) No rádio, como já fizera no jornal, Osmar Silva pôs a pujança de sua inteligência e de suas virtudes literárias a serviço de bons programas radiofônicos, cujos elevados objetivos são o aprimoramento cultural e o saudável divertimento popular.

Fazer Rádio… Comentário do jornal A Gazeta, de autoria de Martinho Callado Júnior, então Secretário de Educação e Cultura do governo do estado de Santa Catarina, citado no livro Coquetel de Crônicas de Osmar Silva. Edição do Autor.Florianópolis, 1962.

Link Relacionado
>>
Coquetel de Crônicas

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *