Ouvir é comunicar!

Vez por outra ouvimos relatos de crianças que começam a falar cedo. Lembro-me de uma entrevista com um jornalista que disse que havia começado a falar antes de andar.

ouvirIniciei falando, ou escrevendo a respeito de algo comum, falar. Há aqueles que com habilidades em diversos campos ficam apavorados se tiverem que falar em público. E existem os que o fazem com certa ou muita tranquilidade. Lembro agora de algo tão ou mais importante que a fala.

Certo dia um menino perguntou ao pai: “Pai, qual é a arte da comunicação?”. O pai respondeu: “Escute meu filho”. O menino esperou e disse: “Pai, lhe perguntei qual é a arte da comunicação”. O pai completou: “Escute, esta é a arte da comunicação em qualquer campo, escutar”. O menino escutou e entendeu. Comunicar, compreender, sentir, usar de empatia; exige ouvir.

O escritor Gary Chapman em seu livro – As 5 linguagens do amor, conta uma história real e especial.

Uma mulher chegou do trabalho certa noite e começou a chorar. O marido perguntou o que havia acontecido. Ela falou sobre alguns problemas no trabalho. O marido, assim como muitos de nós, “conselheiros” passou a explicar a esposa como deveria agir para resolver seu problema. E assim passaram várias noites. Ela, aborrecida, abordada pelo marido sobre o problema que a incomodava, ouvia seus conselhos e orientações. Certo dia o marido se cansou e jogou em cima dela que não queria e não iria mais ouvi-la sobre esse problema. Afinal de contas, ela não acatava seus conselhos.

Meses depois a esposa o deixou.

Só depois disso aquele marido entendeu algo incrível. Sua esposa não queria seus conselhos, sugestões e orientações. Não. Ela só queria o que muitas vezes queremos. Que alguém nos ouça de verdade. Que compreenda a dor pela qual passamos e compartilhe conosco, seja pelo apropriado silêncio da ocasião ou com palavras bem escolhidas. Palavras que irão reanimar nosso interlocutor ou pelo menos mostrar que nos interessamos por ele.

Diz certa pesquisa que normalmente as pessoas costumam ouvir por 17 segundos antes de interromper e apresentar seu ponto de vista.

Num restaurante é fácil notar quem é namorado e quem é casado. Namorados costumam olhar nos olhos um do outro, sorrir, ouvir, falar, darem as mãos. Já os casados, muitas vezes ou na maioria, enquanto não estão comendo ficam olhando para os lados. Foram ali só para comer.

Por que muitas vezes com um amigo ou uma amiga conseguimos falar tudo o que pensamos, sentimos, sonhamos? Também ouvimos com carinho, atenção e sem interrupções. Mas isso acaba não acontecendo entre marido e esposa. O que ele ou ela, pensa, deseja, precisa e, principalmente, espera de nós? Talvez o membro do corpo que mais precisamos treinar seja mesmo a língua.

Quem já é bom ouvinte deve ter uma vida realmente feliz no trabalho, com os filhos, esposa ou marido, amigos e até com aqueles que reclamam de nós.

Se falar é fácil? Creio também ser uma arte, mas o que falaríamos se não tivéssemos ouvido?

O que entenderíamos sem escutar? Um bom médico é antes de tudo um bom ouvinte, assim como um comunicador.

Curas de feridas emocionais podem acontecer. Alegrias e amizades retornar. O encanto por quem nos rodeia pode existir. O maior dos sentimentos pode vir a brilhar no casamento de quem realmente – ouve.

Fale, critique, mas, antes e depois, escute até entender e sem interromper!

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *