Perseguir um sonho

Há dez anos eu escrevia sobre as dificuldades de se fazer jornal no interior e o Jornal Folha de Itapoá publicou com destaque. Com destaque por que falava do sonho de Beth e Marcelo, os donos do “pasquim-nanico” e porque a Folha completava seu primeiro aninho.

Era uma criança. E como a grande maioria das crianças recém-nascidas, feio pra burro, parecendo um joelho. Depois, já com dez aninhos, que gracinha. Fica até colorido!

Na Capital sempre foi uma dificuldade manter-se um periódico, mesmo que fosse mensal; nas cidades grandes, a mesma coisa. Nas cidadezinhas então, praticamente impossível. Anunciante só se for parente bem chegado ou amigo do peito, que faz anúncio “pra ajudar”. Mas não vou me deter nisso, por uma série de fatores, os quais não vou mencionar porque o que eu quero falar é de perseguição de sonho.

A Folha de Itapoá completa dez anos. Beth Fagundes completa meio século, com toda a festa de que é merecedora por seus grandes méritos e vai lotar o Maresia (local obrigatório das grandes festas em Itapoá), Marcelo, como marido, amante e puxa-saco da grande jornalista, “a beijará na boca” e, como sócio, vai fotografar tudo e, depois, publicar uma edição especial, enchendo as páginas com as carinhas bem cheias e coloridas dos seus amigos – eu e o prefeito Erwino na frente – com uma manchete bem pomposa:

FOLHA DE ITAPOÁ: DEZ ANOS DE SUCESSO! BETH: MEIO SÉCULO FAZENDO AMIGOS!

Uma das coisas gratificantes na vida é ver reconhecido o caminho percorrido por alguém em busca dos seus objetivos, por mais estranhos que possam parecer esses objetivos aos olhos de incautos observadores. E esses dois jornalistas são reconhecidos hoje, depois de dez anos de luta.

Aguentar o tranco durante dez anos, numa cidade que nem maior de idade ainda é, merece aplausos em pé! Por essa razão não me sentei pra escrever estas palavrinhas a eles endereçadas: por respeito! Respeito muito, demais, os sonhadores como Beth e Marcelo, “tomando as suas” juntos, brigando entre si por qualquer motivo banal – e todos os motivos são banais na vida, nada existindo de muito importante -, escrevendo juntos as manchetes, editoriais, nascimento de criança ou morte de velho – que são poucas, pois vivem num paraíso chamado Itapoá e com uma vida dessas as pessoas custam muito pra morrer -, sofrendo todas as agruras das negativas de anunciantes que seriam possíveis patrocinadores do sonho de se fazer jornal no interior, mas, no final da madruga, juntos, na mesma cama e sonhando – de novo – novos sonhos. Amanhã, outra vez, correrão atrás deles, como quem persegue uma sombra fugitiva.

Corra, Lola! Digo, corra Beth! Corra, Marcelo! Não deixe o sonho fugir!

Redação: como ninguém conhece o Donato resolvemos acrescentar mais estas informações para você leitor do Caros Ouvintes: Donato Ramos mora em Florianópolis e é proprietário do Jornal Cultura & Lazer, Presidente do Instituto Vida & /Cidadania, Presidente da Associação Catarinense de Idosos e Pré-idosos.

Nas horas vagas pinta, escreve livros, faz música, toca gaita (que cacófato!) de boca e vive feliz ao lado de Dalila e seus quatro filhos e ainda tira um tempinho para marcar o ponto aqui neste espaço que é só seu.

1 responder
  1. Cleia Mara Ferreira says:

    Olá Betinha !!!!
    Sim, pois é como a chamávamos carinhosamente nos tempos de Rondon…. Umuarama ….
    Espero que lembre-se de mim.
    Estou sempre aí por Itapoá, mas jamais imaginei q vc encontrava-se aí!
    Mundo pequeno esse ….
    Retorne o meu contato, p que possamos retomar nossa amizade de longa data, saber de seus familiares, contar-lhe dos meus ….
    Meus cels 41-99116555 (tim) e 41-9207-6565 (vivo)
    Há,moro em Curitiba há alguns anos !
    Bjs, minha querida amiga de longa data, Beth Fagundes !
    Aguardo contato !!!!!

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *