Praça XV: onde tudo acontece

Depois de 11 anos de jejum, a Consulado do Samba voltou a conquistar o título da festa na capital catarinense. A última vitória da escola da Caeira do Saco Limões tinha sido em 1993. Em 2004, a agremiação havia conquistado o vice-campeonato com o enredo “Uma Rosa para Neide Maria, homenageando a cantora e mulher de rádio” . Em 2005, o título veio com o enredo “Da Terra Sem Mal ao Império do Sol: o Eldorado de Aleixo Garcia”.
Por Ricardo Medeiros

Para 2006, a vermelho e branco levará para o sambódromo o tema “PRAÇA XV – Palco Onde Tudo Acontece”, que narra o dia-a-dia de um dos recantos mais atraentes e visitados, localizado no coração da cidade. A praça se constitui em uma fonte inesgotável de fatos, boatos, casos e causos. Como se tudo isso não bastasse, o fascinante logradouro exibe, também, em torno de si, um dos mais ricos casarios históricos. O enredo é de Carlos Alberto Schneider e César do Canto Machado.

O desfile das escolas de samba de Florianópolis será realizado no próximo sábado, dia 25. A partir das 22h30, por ordem, entram na passarela Nego Quirido Protegidos da Princesa, Unidos da Coloninha, Copa Lord e Consulado.

:: Clique para ouvir
Samba Enredo da Escola de Samba Consulado
Enredo: Praça XV, palco onde tudo acontece
Autores do enredo: Carlos Alberto Schneider e César do Canto Machado
Autores do Samba: Adriano do Cavaco, Carlão e Josué.
Jogue suas mãos pro ar no balancê,
Deixe o amor contagiar eu e você
Consulado é assim tudo pra mim,
Conquistou meu coração (bis)
Me faz sorrir, me faz chorar
Vermelho e branco é paixão

Praça XV, vamos te exaltar, palco onde
Tudo acontece
Quem vê não te esquece quem vai quer  voltar
Mosaico de rara beleza onde a natureza foi  morar
Abram alas pra folia minha escola vai passar
Relembrando os carnavais de outrora tem perfume no ar
Ao soar dos clarins a corte anunciava alegria
Linda praça iluminada e o povo na calçada
Até o raiar do dia

Chove chuva de confete e serpentina
E a festa não tem hora pra acabar
A consulado é uma onda de alegria (bis)
E nessa onda quero te levar

Saudade, das grandes sociedades
Sua apoteose, as mutações
Do poder estudantil a novembrada
Nos passos da fé a procissão,
Na sombra da figueira muitos artistas
Ciganas, engraxates, propagandistas
 Lambe-lambe, pregadores, artesão
 Damas da noite, vendedoras de ilusão

Jardim do brasil, brasil
Que o navegador chamou
A tua historia, hoje relembro
Oh! Minha Praça XV de Novembro


{moscomment}

Categorias: Tags: , ,

Por Ricardo Medeiros

Doutor em Rádio pelo Departamento de História da Université du Maine (Le Mans, França). Radialista, jornalista, escritor e professor de rádio do curso de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina e assessor de imprensa da Prefeitura de Florianópolis. É um dos fundadores do Instituto Caros Ouvintes.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *