Predestinado 4 Parte 2

Em Blumenau Germano Jr deu show de transmissão cobrindo até corrida de bicicleta em que nem sabia quem estava correndo, pois tinha uma facilidade de improviso fantástica. A mãe dele, que era lavadeira, mandava remédio para ele deixar de beber e ele tomava com cachaça.
Por Altair Carlos Pimpão

O Lazinho falou com o Wilmar Luz, dono do Café Society, que ficava no andar térreo do nosso prédio, para que não vendesse bebida alcoólica para o Germano. O Lazinho andava satisfeito porque passava por lá e via o Germano de xícara de média de café na mão. Depois descobriu que o Germano havia corrompido os garçons, que lhe serviam aguardente de cana nas xícaras de café.
Germano foi para Itajaí, dizem que casou com a filha de um pinguço e morreu ainda jovem. A Nereu Ramos cresceu buscou-se mais um locutor. Veio então o gaúcho Sady Ivo Pezzi, que conheci em Curitiba, na Emissora Paranaense. O Sady não bebia e faleceu recentemente.
Quando casou com uma prima, convidou o dono da rádio, Dr. Nagib Chede, para ser seu padrinho de casamento. Mais tarde teve um desentendimento com o João Graf Schreiber, que era o gerente, e foi ao escritório do Dr. Nagib para exigir: ou ele ou eu! O meu patrão de então disse que então ele sairia. Mas o Sady era um figuraço. Aqui começou a transmitir futebol de salão, esporte que engatinhava e teve início numa partida do PIMPA de Itajaí contra o OLIMPICO.
Ali o Sady lançou Moacir Galleani como comentarista. Foi o Sady também que, transmitindo futebol pela Rádio Clube de Blumenau deu um sobrenome ao comentarista que só era conhecido como Tesoura. Você precisa ter um sobrenome, disse ao Tesoura. Você será Tesoura Júnior. Sady Ivo Pezzi veio para a Nereu Ramos e aí começamos a dividir as responsabilidades.
A rádio cresceu um pouco mais e o Lazinho aceitou a minha sugestão de trazer para cá o Nelson Tófano, que eu conhecera em Ibiporã. Ele estava em Curitiba, aceitou o convite e veio embora com sua Lambreta. Iríamos fazer o Onde está o ouvinte está a Rádio Nereu. Eu fui até o Café Cometa, que pertencia ao Arno Bernardes, e fechei contrato.
Diariamente o Nelson saía com sua Lambreta e ia a um endereço qualquer bater à porta e fazer o programa com a família. Se a dona da casa tivesse o Café Cometa ganhava um prêmio. O programa foi um grande sucesso. Eu lancei o Pingos que também marcou época.
Alugamos um apartamento na Rua Maranhão, hoje Luiz de Freitas Melro, e morávamos os três naquele prédio de três andares e ótima vizinhança. Mas, no Natal até aceitávamos que o Lazinho não nos desse uma gratificação porque sabíamos das dificuldades iniciais da emissora. Entretanto ele se mandou para a praia e nem nos desejou um Feliz Natal.
Resolvemos aceitar o convite do Dr. Wilson Luiz de Freitas Melro, que era o superintendente das Emissoras Coligadas de Santa Catarina. Nós três iríamos mudar de prefixo. Acertamos o salário que era compensador e atuaríamos na Difusora e na Clube, ambas em Blumenau.
Pedimos demissão. O velho Germano Beduschi, que gerenciava a Nereu Ramos veio nos conversar para que ficássemos. O Sady e eu permanecemos firmes e fomos para as Coligadas. O Nelson Tófano amoleceu e ficou. Aí éramos concorrentes habitando sob o mesmo teto. Quando estávamos os três no apartamento, à noite, começávamos a falar sobre as nossas vendas e aumentávamos tudo, só para inticar (como dizem aqui).
O Nelson acabou não resistindo à pressão e um dia se mandou. Por ter ficado foi recompensado politicamente quando o Lazinho, já então grande líder político, o lançou candidato a deputado estadual. Nelson Tófano foi eleito e encerrou sua carreira de radialista, mesmo não tendo sido reeleito. Ficou trabalhando na Assembléia Legislativa.
Quanto às Emissoras Coligadas de Santa Catarina eu conto na próxima.


{moscomment}

Categorias: Tags:

Por Altair Carlos Pimpão

Catarinense, mas iniciou no rádio quando estudava em Curitiba. Tornou-se profissionalmente internacional ao ser aprovado em concurso da Deutsche Welle onde trabalhou por vários anos. Retornando ao Brasil exerceu as atividades de gerente executivo da RBS TV e superintendente do Jornal de SC. É diretor d TV Galega.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *