Promessas de Ano Novo

Tinha ido ao Centro com o propósito de agradecer a Deus pelo ano que estava terminando e também para fazer meus pedidos para o Ano Novo. Havia muito a agradecer. Dos pedidos do ano anterior, só faltou o namorado; por isso mesmo era agora o primeiro item da lista. Um homem inteligente, bonito, gostoso e valente, do tipo que sabe o quer e luta por isso. O salão do Centro do Seo Osvaldo Mello estava praticamente vazio àquela hora da manhã. Mal cheguei, a porta do reservado se abriu para os que desejavam tomar o passe. Não vi quem era, mas alguém entrou comigo. Após a belíssima oração e a benção do médium, tomei o copo de água fluidificada que um homem gentilmente me ofereceu, agradeci sem olhá-lo e saí à rua. Ele seguia à minha frente. De repente parou e eu passei, distraída com meus pensamentos.

Dirigia-me à escadaria que leva à Avenida Osmar Cunha quando ele emparedou comigo e perguntou, na lata:
– Tu moras em Barreiros? Surpresa e rindo interiormente, respondi
– Não. Moro na Trindade.
– Na Trindade? Onde? Naqueles prédios?
– Não, no momento moro numa casa, mas estou me mudando para um apartamento.
– Sozinha?
– (?!) Não, com os meus filhos.
– Pequenos?
– Não, adultos.
– De que idade?
– Vinte e sete, vinte e quatro e dezoito (à época).
– Trabalhas aqui, no comércio?
– Não. Sou professora.
– É? Em que colégio tu dás aula?
– Eu não trabalho em colégio e no momento não estou dando aulas.
– Por que?

– Estou fazendo uma pesquisa. Enquanto conversávamos, descíamos a Deodoro.
– Ah, porque se não tu podias mandar um currículo pra uma escola que tem perto da minha casa. (Por que cargas d’água eu levaria um currículo para a escola que tem perto da casa dele? Pensei, mas não falei, até porque sabia a resposta). Ele continuou o inquérito:
– E… Qual é o teu nome? Eu disse. Também perguntei o nome dele.
– Rudinei. Ele respondeu.
– E o que tu fazes na vida, Rudinei?
– Sou fotógrafo.
– É uma profissão muito interessante.
– É, o problema hoje é a concorrência. Tá meio difícil. Esse ano eu fiz uns trabalhos pro Dário, mas quero ver se consigo trabalhar com o Luiz Henrique. E… Onde é que tu vás passar o Reveillon? Ele emendou, sem rodeios. Na Beira Mar?
– Não, em casa.
– Sozinha?
– (rs) Com a minha família.
A essa altura, havíamos chegado à Igreja de São Francisco onde eu acenderia minhas velas e deixaria meus habituais pedidos a Nossa Senhora Desatadora dos Nós.
– Fico por aqui, eu disse. Ele pareceu decepcionado, já que isso interrompia a conversa, e eu me sentia aliviada, pois já via a hora em que ele pediria meu telefone.
– É? Tá…         – Olha, Rudinei, eu desejo que tenhas um Feliz Ano Novo. Tomara que consigas o trabalho com o Governador e que tudo dê certo pra ti.
– Pra ti também, ele disse, e saiu andando na direção do Mercado Público.
Fiquei a observá-lo. Não era meu tipo, mas era inegavelmente um homem valente, do tipo que luta pelo que quer. Entrei na Igreja tomada por uma absoluta certeza: Deus existe. Só precisa melhorar a pontaria.

* Rudinei é um nome fictício
Ilha de Santa Catarina e de CascaesAno da graça de 2005

Categorias: , Tags:

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *