Rádio Clube de São João Batista – 3

Nos dois capítulos anteriores abordamos o surgimento da Rádio Clube a partir da Rádio Difusora de Tijucas e como Janer Reinert consegue a concessão e depois não tem como montar a emissora. Hoje falamos de sua trajetória política.
Por Ricardo Martins

Na política, a emissora teve um papel importante na cobertura das eleições em Tijucas e em São João Batista. Acompanhou passo a passo uma das eleições mais disputadas de São João Batista, em 1968. Na época, a Arena lançou duas legendas, o mesmo fez o MDB. Pela Arena, Alinor Herculano de Azevedo e Manoel João Reinert, para prefeito e vice, pela sub-legenda 1; Wilian Duarte da Silva para prefeito e Jener José Reinert, vice, na sub-legenda 2. Pelo MDB concorreram Henrique Mázera Filho e Miltom Silva, e Walmor Goedert, Getúlio Clemes . A vitória foi da Arena com a eleição de Alinor Herculano de Azevedo e Manoel Reinert.
No dia 15 de novembro de 1976, a Rádio registrou a vitória do prefeito Wilde Carlos Gomes e do vice Ari Reinert dos Santos, pela Arena, que aqui se consagrava como um partido de representação municipal, como também era o caso da maioria dos municípios da época. As duas vitórias da Arena significaram para a rádio uma representação maior do poder público do município, pois mesmo sendo um a Clube de livre arbítrio e com liberdade de escolha e de manifestar o que realmente o ouvinte gostaria de ouvir, tinha seu diretor e proprietário Jener José Reinert, ligado diretamente a antiga Arena.


Destaque para os pavilhões de venda de calçados, na maioria
localizados à beira da rodovia SC-411.

Vários profissionais que se projetaram na Rádio Clube nestes 38 anos integrando o Vale, acabaram concorrendo a cargos públicos. Foi o caso de Mario Pessoa que em 1972, por insistência do diretor proprietário da rádio Clube, conquistou uma cadeira na câmara municipal de vereadores obtendo a terceira melhor votação, 254 votos. Em 1975 foi eleito presidente da Câmara municipal de vereadores. João Luiz Ramos, eleito vereador em 1977, Antero Alexandre vereador em 1984, Maria Do Carmo Batisti Archer Marcos candidata ao poder legislativo pelo PFL, comunicador Manoel Sagas,o apresentador sertanejo Delgado e Hélio Gomes.
Nesse período, a Clube cumpriu um papel importante, diante da intervenção, na cidade, e depois da comunidade ir contra as atitudes do interventor, o capitão do exército José Antonio Bento, a população se viu sozinha, isolada e prisioneira dentro de sua terra natal, neste momento a Clube marcou presença. Foi quando da recusa do interventor, em encaminhar um paciente para tratamento na Colônia Santana que o repórter e gerente da clube, Mario Pessoa, sem medir as conseqüências, enfrentou o capitão do exercito. “Nunca me esqueço da discussão que tive com o interventor na frente da antiga rodoviária., diz Mário, parei o carro oficial e disse à ele que se a pessoa não fosse transferida, ou cometesse qualquer ato de violência devido seu estado mental, eu o denunciaria pela Rádio Clube. Em menos de 10 minutos o paciente foi transferido”, comenta, com orgulho Mario Pessoa.
A Clube também foi contra o interventor quando este praticou uma medida considerada ilegítima, proibiu as pessoas de pintar os túmulos no cemitério sem o alvará da prefeitura, para mexer no túmulo do familiar, o cidadão teria que pagar uma taxa e esperar pela liberação da autorização do Interventor. A denúncia chegou até a Rádio, através do munícipe Maneca Sacristão, e foi confirmada pelo soldado Valentim e por funcionários da prefeitura que permaneciam de plantão na entrada do cemitério. Na Crônica que fez sobre o assunto, Mario Pessoa conclamou aos cidadãos para não pagarem a taxa e não pintarem os túmulos como sinal de protesto. Resultado; apenas três túmulos foram reformados, “a população seguiu a orientação da Clube, afirma Mario e concluindo diz, foi a partir daquele instante que“o interventor começou a perder suas forças, ele já não possuía mais domínio sobre a população”, finalizou.
Outro momento importante é quando a emissora vai a favor e ao lado dos plantadores de cana. Através de uma manifestação do vigário monsenhor José Locks, contrário ao sistema utilizado pela Usina para pagamento de seus fornecedores, acabou formando-se uma grande movimentação regional, que culminou com a paralisação no corte da cana. O monsenhor José Locks lidera a manifestação e consegue apoio do promotor Fernando Nizo Bainha e do médico Mercides da Rocha Pacheco ( oficial da reserva da aeronáutica ). O repórter Mario Pessoa, que acompanhou a história diz que no final, todos tiveram que deixar São João Batista, por força do regime militar. O movimento dos canavieiros teve êxito. Mudou-se a forma de pagamento aos fornecedores de cana e o sistema imposto pela Usina. Esta conquista pode ser crédito à equipe da Clube e as suas lideranças locais.
Em seu transcurso a emissora participou ativamente da história da cidade. Transmitiu a inauguração da Comarca em 1966, a implantação da Sociedade 19 de Julho, do Lions Clube, Ginásio de Esportes Manoel Sartóri Alves e a construção do Estádio Cristóvão Reinert dos Santos e tantas outras obras do município. Também foi responsável pela transmissão dos 50 anos de sacerdócio de Dom Joaquim Domingues de Oliveira, na igreja matriz de Tijucas. A cobertura teve início as 9 horas da manhã e seguiu às 7 horas da noite.
Na próxima semana: Jener vende a rádio dos seus sonhos


{moscomment}

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *