Mitológica Rádio Diário da Manhã é inaugurada com Emilinha Borba

A década de cinqüenta ainda faz parte do que ficou conhecido como o período de ouro do rádio brasileiro. E o ano de 1955 viu surgir em Florianópolis uma rádio que, operando tanto em ondas médias como ondas curtas, iria fazer história e assumir, praticamente desde a sua criação, a liderança do rádio em Florianópolis.

Essa história é contada no livro Caros Ouvintes de Antunes Severo e Ricardo Medeiros.

 


Antunes Severo, repórter, entrevista Jorge Bornhausen.

Para se ter uma idéia da importância da Rádio Diário da Manhã já em seus primeiros dias, comparando com os dias atuais em que uma emissora opera com um mínimo de pessoas, imagine uma emissora começando com uma equipe de 66 pessoas. Pois foi o que aconteceu com a rádio Diário da Manhã, fundada pelos Bornhausen e que foi inaugurada no dia 30 de janeiro de 1955 na voz da rainha do rádio do País: Emilinha Borba.

Esse acontecimento é também sintomático no sentido de mostrar como, historicamente, a mídia esteve sempre entrelaçada com a política. A Rádio Diário da Manhã era a voz da UDN em Santa Catarina. E entre seus fundadores estavam Irineu Bornhausen, Paulo Bornhausen e Antonio Carlos Konder Reis. A própria inauguração da rádio coincidiu com a comemoração dos quatro anos do Governo Irineu Bornhausen.

Mas é importante registrar os nomes dos profissionais que faziam parte dessa rádio vencedora nos dois primeiros anos de operação. Na direção Geral, Francisco Mascarenhas, ex-deputado estadual pela UDN. Equipe de locutores: Souza Miranda vindo da Tupi de São Paulo e os profissionais locais Ciro Marques Nunes, Humberto Fernandes Mendonça, Rozendo Vasconcellos Lima, Nívea Marques Nunes, Edgar Bonassis, Eleazar Nascimento e Carminatti Júnior. Cláudio Alvim Barbosa, o lendário Zininho, cantor, compositor, produtor e sonoplasta; Neide Maria, locutora, cantora e radioatriz, Augusto Mello, sonoplasta, Aldo Silva, radioator, locutor e diretor de radioteatro.

Os irmãos Walter e Adolfo Zigelli, Dakir Polidoro, Antunes Severo, Edwin Scott Balster, Iran Manfredo Nunes, Fernando Linhares da Silva, José Valério Medeiros e Carlos Del Rio ingressam na rádio em 1956.

 


Adolfo Zigelli, repórter, na coletiva de Carlos Lacerda.

É interessante observar que dois profissionais dessa equipe, Antunes Severo e Rozendo Vasconcelos Lima, iriam fundar, em 1963, a A.S. Propague, a mais antiga agência de publicidade catarinense que continua a operar plenamente.

De acordo com o livro Caros Ouvintes, “A Rádio Diário da Manhã destaca-se logo de início pela diversidade da programação, por um elenco de profissionais vindos de várias partes do Brasil, pela qualidade incomparável do som e pela cobertura que atinge todo o país e, em alguns horários, também várias partes da América, da Europa e da Ásia”. Ela foi a primeira rádio de Florianópolis autorizada a operar tanto em ondas médias como em ondas curtas.

Podemos hoje afirmar, passado meio século de sua fundação, que a Rádio Diário da Manhã, mesmo levando em conta a sua gênese atrelada à política, foi um exemplo de profissionalismo aplicado ao rádio em Santa Catarina.

13 respostas
  1. Rubens Janes says:

    Engraçado com o tempo passa e a saudade fica; lembro-me bem, eu tinha 12 anos de idade, isso em 1956, quando comecei a trabalhar. Menimo ainda, de calça curta como era o costume da época. Em frente ao armazém onde trabalhava exisitu uma padaria e toda tarde a gente ouvia um programa chamado “Saudades do Passado” que era transmitido pela Ráio Diário da Manhã, de Florianópolis-SC. Bem o tempo passou e hoje, muitas vezes me deparo com uma saudade louca daqueles tempos e outro dia, procurando na internet fiquei sabendo que o locutor chamava-se Humberto Mendonça, hoje falecido. Não sei se a emissora mantém esse programa, pois depois que se criaram milhares de emissoras de rádio FM, inclusive várias tidas como piratas, ficou difícil de se localizar qualquer emissora daquelas bem antigas. Penso que é hora das emissoras voltarem um pouco de suas programações para a chamada Era de Ouro do Rádio brasileiro, pois, até hoje tem gente que gostaria de recordar de músicas antigas, tão excassas nas emissoras da atualidade.

  2. ALDO MIKAELLI says:

    Na minha juventude fui macaco da Diário. Diariamente, Saudades do Passado com o Humberto Fernandes Mendonça as 15,30 hrs e nos sábado as i7 hrs, Uma Valsa e Uma Saudade com o saudoso Aldo Silva. Aliás, meu nome artístico Aldo foi copiado do Aldo Silva já que na época fui bancário e o Excelentissimo Sr. gerente não queria que eu fizesse Rádio no período da noite e fui obrigado a encontrar um nome artístico e Aldo Silva foi a inspiração. Grande elenco de artistas da Diário da Manhã, alias, não se fazem artistas locutores como antigamente.

  3. Agustinho Casagrande says:

    È impressionante como as coisas enraizam em nossa mente! Lendo este cantinho da saudade que outras pessoas escreveram,faz.me lembrar sim os belos idos tempos de roça,quando ouviamos a radioa Diario da Manha,seus programas,sua jovialidade,sua maneira diferente de fazer radio.A outra querida emissora que deixa saudade,RAdio Clube Paranaense,que tambem,infelismente,desativada.Sem dúvida,eram programações de alto nivel,serios e atrativos.È claro que tudo muda com o tempo,mas no radioi mudou pra muito pior.Pena!Agustinho Casagrande
    Pato Branco Pr

  4. Décio Vargas Paim says:

    Na minha juventude cheguei a escutar novelas na radio Diário da Manha. Oh tempos bons.

  5. Rosana Rosa Pereira says:

    Prezados Senhores,
    Li a respeito da Radio Diario da Manha e nao vi o nome do meu avo o qual fez parte dessa Radio pois tocava no programa de auditorio e em outros programas. Meu avo era Felisberto Demaria, tocava Contrabaixo e violao, banjo e bandolin.
    Atenciosamente,
    Rosana

  6. Josué says:

    Nos idos de 70 ouvia muito a radio Diario aquilo sim era programação vcs são os melhores dos melhores quantas saudades.

  7. jose adalnerto de souza says:

    estou a procura de uma reportagem feita no dia 10 08 1965 pelo locutor Iram nunes sobre um bebe que foi abandonado na escada do predio da radio diario da manha.
    Esse bebe hoje esta com 48 anos e se chama jose adalberto de souza.
    Estou escrevendo um livro.
    se alguem puder ajudar mail para contatos mariasalete_sj@hotmail.com
    ou pelo telefone 48 99620128
    obrigado a todos

  8. Luiz Carlos machado says:

    Olá boa tarde, tenho ótimas recordações da Diário da manhã, estou informando a todos que esta Rádio Diário da manhã a ondas curtas está localizado na cidade de Camboriú SC, hoje ela é uma emissora missionária , e São três emissoras, 25, 31 e 49 metros eu trabalho com essas emissoras. Os transmissor estão sobre minha responsabilidade.a diário da manhã AM ,hoje pertence a RBS em Floripa, abraços

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Mitológica Rádio Diário da Manhã é inaugurada com Emilinha Borba […]

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *