Rádio na Região Sul cresce mais que em todo o país

As verbas de publicidade para o rádio na Região Sul aumentaram em 26,6% entre janeiro e outubro de 2008 em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os dados mais recentes fazem parte de um levantamento do projeto Inter-Meio e demonstram o incremento superior aos 21,84% do consolidado no Brasil.

O diretor de relações institucionais da Associação Gaúcha de Rádio e TV do RS – AGERT – e publicitário, Antonio Donádio, atribui a expansão das verbas publicitárias do rádio a dois eventos que proporcionaram grandes coberturas jornalísticas: as Olimpíadas de Pequim e as Eleições Municipais. O faturamento em publicidade do Rádio entre janeiro e outubro de 2008 foi de 733 milhões.

A região ficou com a fatia de 17,93% dessa receita, ou seja, 127 milhões. A Grande São Paulo e a Capital ficaram com 46,59% do valor total.

Os setores da economia com grande influência nesse incremento foram o varejo, o de veículos, o imobiliário e o de construção civil, de acordo com Donádio. “As condições de crédito foram absolutamente diferenciadas para os consumidores desses produtos e serviços e, nessa hora, o Rádio se tornou uma mídia importante para fazer essa comunicação de forma objetiva, dinâmica e ágil, características fundamentais do meio’, justifica.

Outros dois segmentos que se voltaram mais para o meio rádio em 2008 foram os de bancos e prestação de serviços. As receitas da mídia governamental, das prefeituras municipais, também tiveram destaque, já que concentram seus investimentos em comunicação no primeiro semestre de 2008 em função da legislação decorrente das eleições municipais de outubro.

Quanto à diferença de percentuais, o diretor da AGERT explica que o consumidor gaúcho tem hábitos bastante diferenciados, especialmente de São Paulo e Rio de Janeiro. Esses estados tiveram expansão de 17% e 2,4% nas receitas publicitárias destinadas para o Rádio em 2008 até o mês de outubro.

Donádio lembra que pesquisa do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião e Pesquisa) em nove mercados, entre as principais capitais do país, aponta que o Rio Grande do Sul ocupa a segunda posição em termos de alcance/penetração. “Só perdemos por uma pequena diferença para a Grande Recife. Ou seja, assim como em jornal, há uma forte cultura de consumo de rádio no Rio Grande do Sul e isso nos diferencia muito em relação a esses mercados”, argumenta o publicitário.

Para 2009, Donádio mantém o otimismo. “Evidentemente, não podemos perder de vista os acontecimentos, mas temos que ter um olhar positivo, pois o Brasil está bem preparado para enfrentar as adversidades, e o Rádio pode ser beneficiado por todas as suas características, especialmente sua relação custo benefício, agilidade, interatividade e segmentação”, considera.

Ele lembra que investimentos em marketing e publicidade nos momentos de crise aumentam a lucratividade das empresas, a participação de mercado, e fortalecem a marca perante os consumidores, que tendem a manter a fidelidade em relação aos que continuam em evidência. “Publicidade é investimento, não é custo”, conclui.

Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e TV – AGERT é formada por 167 emissoras AM e 100 FM associadas, além de 20 estações de televisão e nove representantes comerciais, totalizando 296 filiados. Mais informações no site www.agert.org.br.

Revista Fator-Rádio

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *