Rádios antigos 02

Esta página é dedicada aos colecionadores e apreciadores do rádio , aos quais apresentamos um pouco do nosso trabalho e do colecionador e restaurador João Mello.
Por Antonio Paiva Rodrigues  

A propagação de sinais de rádio pelo mundo teve início nos idos de 1890, porém poucas pessoas tomaram conhecimento desse fato , sendo o rádio colocado à venda ao grande público somente a partir de 1920. Inicialmente , apareceram os rádios “Breadboard” (literalmente tábua de pão ) da Atwater Kent que não possuíam gabinete , mas somente uma tábua onde eram montados todos os componentes.
Hoje , um “Breadboard” original e funcionando atinge facilmente um preço superior a U$1,000. 00. Logo apareceram fabricantes como RCA Victor, Westinghouse, Atwater Kent, e Crosley. Nos anos 1930, vários outros fabricantes estavam com seus rádios no mercado: Zenith, Philco, Motorola, Emerson, e Arvin. Os receptores dessa época possuíam gabinetes de madeira compensada como os rádios de mesa “Capelinha” – mais conhecidos na América pelo nome ” Catedral “, os “Tombstones ( literalmente pedra de lápide ) ou os rádios maiores tipo console e rádio fonógrafos cujos móveis eram artisticamente decorados e feitos com madeira de lei ”.

Muitos dos modelos de console foram projetados como partes da mobília residencial. Interessantes e colecionáveis são os rádios de mesa ou portáteis com caixa de ” Baquelite ” e “Catalin” produzidos entre os anos 1920 e 1950. Essas composições de plástico inicialmente eram bastante caras e muito susceptíveis a trincas , em contrapartida exibiam uma arte maravilhosa em estilo Art Deco com cores vivas . Os nomes mais procurados pelos colecionadores são Fadas , Emerson, e Motorola. Os rádios de Catalin atualmente devem ser abrigados do sol e operados por curto intervalo de tempo , pois o calor irradiado pelas válvulas provoca trincas no plástico.
Atualmente, o interesse maior de muitos colecionadores se concentra em antigos rádios transistorizados e aparelhos que fazem alusão a algum produto ou personagem de época , conhecidos como “Novelty”.
Os rádios transistorizados que interessam aos colecionadores são da época de seu lançamento ( meados da década de 1950 até aproximadamente meados da década de 1960). Os mais procurados são : Regency TR-1 (o primeiro rádio transistorizado), modelos da Bulova, Raytheon, Zenith, Sony, e os primeiros modelos da Toshiba.
Procure pelas marcas triangulares no dial de sintonia ( marcas para a defesa civil ) e você estará com um rádio colacionável em mãos . “Novelty Radio” ( rádios de propaganda , brinquedos , garrafas etc.) são altamente colecionáveis, pois atraem as pessoas mais jovens .
Muitos “Novelty Radio” dos anos sessenta estão cotados em mais de U$100.00 como Mickey Mouse ou Super-Homem , da mesma forma os rádios da Pepsi-Cola e Coca-Cola são muito populares , sendo de lançamentos mais recentes são mais fáceis de encontrar .
O colecionismo desses rádios pode ser muito agradável e compensador atualmente . Os sótãos e garagens ainda estão cheios destes tesouros . Não citamos os rádios “ Flórida ” modelos 501, 601, 701, 1001, 1101, 1201, 1301, 1401 e 1601, dos anos de 1951 e 1952 – fabricados no Brasil. A fachada do prédio , apesar do incêndio em Fevereiro de 1980, guarda a mesma aparência de quando ali era uma indústria , fabricante dos afamados rádios Flórida . Falta mesmo é o letreiro no alto do prédio : ” Manufatura de Rádios Brasil Ltda.” e os antigos caminhões Chevrolet Gigante que ficavam a postos esperando por uma carga a ser distribuída pela capital ou interior . Tempos modernos – velhas lembranças !
O que se vê hoje na Tonbras são produtos da marca Radex como corretivos , colas e suprimentos para informática , nada a ver com as válvulas , resistências e condensadores da era do rádio . Somos conduzidos a uma pequena sala onde se dá nosso primeiro contato com o André, oportunidade em que , após a costumeira troca de cartões , iniciamos um prolongado papo sobre o nosso real interesse : Rádios !
Muito educado e bem apessoado, beirando seus trinta e poucos anos , não transmite a sensação de conhecer muita coisa sobre os aparelhos eletrônicos que abarrotavam aquelas salas em décadas passadas . Aos poucos , como quem primeiro quer saber com quem se está conversando, passa a contar a história de seu avô e da Tonbras.
Aproveitamos o ensejo para fazer as nossas homenagens póstumas ao grande estudioso do rádio e sem a colaboração deles não teríamos executado esse trabalho . João Álvaro de Barros Mello, faleceu aos 51 anos , 6m, 13 dias , no dia 02/04/03 ( quarta-feira ). Era casado com   Ana Lúcia de Barros Mello e deixa as filhas, Miriam, Beatriz e Patrícia . Seu sepultamento deu-se no dia 03/04/03 às 17h00min horas no Cemitério Jardim do Ipê em Bauru / SP. Que Deus te guarde e abençoe irmão ! Continuaremos, pois o assunto é apaixonante!
Link relacionado: http://www.bn.com.br/radios-antigos/frame.htm
 


{moscomment}

Categorias: Tags:

Por Antonio Paiva Rodrigues

Bacharel em Segurança Pública, gestor de empresas e jornalista integrante das associações de Ouvintes e de Imprensa, do Sindicato dos Jornalistas e da Academia de Letras dos Oficiais da Reserva do Ceará. Poeta, ‘também autor de seis livros. Colunista do Caros Ouvintes tem se dedicado à pesquisa da história do rádio.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

1 responder
  1. Marcus Machado says:

    Gostaria de saber onde e como adquirir um rádio Zenith Transoceanic 7000-2. Já procurei nos sites Mercado Livre, mercado Pago e ñ encontrei.Tenho um Transglobe Philco, mas está apresentando deficiencia na recepção em ondas médias pois o dono anterior deve ter mexido em sua calibração e ñ sei quem pode resolver esse problema. Moro em Paulista-Pe e qualquer resposta pode ser enviada para [email protected]

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *