Regulações internacionais de radio completam 110 anos

Regulações da União Internacional de Telecomunicações (UIT) para garantir repartição do espectro eletromagnético entre países e promover a comunicação de qualidade via rádio completaram 110 anos em dezembro.

radio-observatorio

Marcos normativos evoluíram com o tempo e, hoje, regulam serviços de conexão sem fio e redes móveis que fazem girar a economia global.

O espectro eletromagnético por onde circulam as ondas de rádio é um recurso natural escasso que não faz distinção entre as fronteiras nacionais. Para repartir as faixas de frequência de forma igualitária e garantir operações de comunicação livres de interferência, a União Internacional de Telecomunicações (UIT) possui marcos regulatórios que completaram 110 anos em dezembro (12) de 2016.

A agência da ONU lembra que as atuais regulações nasceram em 1906, durante a primeira Convenção Internacional do Rádio Telégrafo, quando 30 países costeiros reunidos em Berlim concordaram em criar padrões e regras para a transmissão de mensagens via rádio.

Desde então, os marcos da UIT evoluíram e foram incorporando os desafios trazidos pelas novas tecnologias. Atualmente, o documento inclui diretrizes sobre o uso das órbitas dos satélites que ficam em torno da Terra e são responsáveis pelas redes de comunicação sem fio. Mais de 40 serviços e frequências que variam dos 9 kHz aos 3000 GHz são cobertos pelas regulações.

Por ocasião do aniversário, o diretor do Escritório de Radiocomunicação da UIT, François Rancy, afirmou que “a transformação digital se tornou o motor do desenvolvimento econômico e social do mundo, e as radiocomunicações são o vetor pelo qual a maior parte dessa transformação está acontecendo”.

“Redes móveis e emissoras, satélites, rádios retransmissoras, radares, drones, dispositivos de curto alcance, como aparelhos com wifi e bluetooth, nos fornecem constantemente uma riqueza de informações, assim como aplicativos, que nós usamos com naturalidade, sem perceber que tudo isso depende um único e intangível recurso: o espectro”, disse o especialista.

Segundo Mats Granryd, diretor-geral da GSMA, 4,8 bilhões de pessoas estão conectadas através de redes móveis — que geraram, em 2015, 3,1 trilhões de dólares em lucro. O montante equivale a 4,2% do Produto Interno Bruto (PIB) global.

Desde 1906, 38 Conferências Mundiais de Radiocomunicação revisitaram as regulações e as atualizaram de acordo com as necessidades de cada momento histórico e tecnológico.

“Com a crescente complexidade de nosso mundo interconectado e a ubiquidade de sistemas sem fio, hoje é mais importante do que nunca manter o ritmo e a eficiência das conferências de radiocomunicação para garantir a evolução rápida desse precioso instrumento (as regulações)”, ressaltou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

(ONU, 20/12/2016)

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *