Roberto Alves: o rádio, o futebol e a cidade – 2

Altair Fernandes*

Sabe: falar a respeito do Roberto, Bob ou Roberto Alves, não é fácil. Nos idos anos 1970 eu, nascido em Imbituba, SC, em casa não tínhamos TV. Apaixonado por futebol fui à casa do meu colega Beto Candemil (seu nome também é Roberto, coincidências a parte), assistir ao clássico Avaí e Figueirense e o comentarista daquele jogo era nada mais… Quem? Quem? Quem?… Roberto Alves, o grande Roberto Alves!  Pois bem, assisti ao jogo ouvindo a narração e comentários dele; dele, Roberto Alves. Uma voz fascinante, cativante, emocionante. Tinha 10 anos e fiquei fascinado por Roberto Alves.

Acabou o jogo com o empate magro de 1 x 1 e fui pra casa pensando naquela transmissão. Então, disse pra mim que um dia gostaria de conhecer o Roberto Alves. Fiquei com aquilo no meu coração.

Bem, um dia minha mãe Nilse Carvalho Fernandes, me convidou pra ir até Florianópolis pra comprar cadernos lá no MEC (lembram-se que ficava ali atrás da Telesc?). Fomos a Florianópolis e chegando lá fiquei olhando desde a ponte Hercílio Luz pro Corro da Cruz; não tirava os olhos das antenas que ficavam no alto do morro. Da ponte até a antiga rodoviária que ficava ali onde a as avenidas Hercílio Luz e Mauro Ramos juntam lá estava eu de olho vidrado no morro, agora tão pertinho de mim.

Minha mãe ficou intrigada, pois eu só olhava lá pra cima do morro e mesmo ralhando comigo eu não descolava o olho do morro e daquelas antenas que agora me pareciam enormes.

De tanto olhar, andando já em direção ao MEC, tropecei e cai, machuquei a boca e ainda recebi bronca da minha mãe que me mandava olhar para frente e prestar atenção onde pisava.

– Vê se olhas pra frente, rapaz! Só olhas pra cima e pro morro da cruz!
Eu disse com lágrimas nos olhos e com amor no coração:

– Mãe, eu só queria ir lá em cima nos estúdios da TV Cultura pra conhecer o moço da transmissão de jogos, o famoso seu Roberto, a senhora me leva lá?

– É impossível meu filho, não conhecemos ele e não fica bem ir lá incomodá-lo, ele deve ser muito ocupado.

Bem, os anos passaram. Em 1979 vim pra Florianópolis estudar na Escola Técnica Federal de SC. Chegando aqui a primeira coisa que fiz foi ir ao Morro da Cruz pra ver se conseguia falar com ele. Não consegui. Não deixavam entrar pra falar com ninguém, só com autorização.

Então deixei as coisas assim na saudade do meu coração. E até hoje vejo ele na TV, ouço nos rádios por transmissão e na Copa do Mundo acompanho seus comentários fabulosos, que ainda me enchem de carinho, como naqueles idos tempos dos anos 1970/1980 tão saudosos pra mim.

Que pena não ter conseguido falar com ele. Acho que agora meu coração não aguentaria a emoção em vê-lo de perto, pois as coisas boas dão saudades, e ele o grande Roberto Alves, faz parte da minha saudade dos belos tempos e belos dias.

Obrigado meu caro Roberto Alves por tudo que me proporcionastes de emoção na área de esporte principalmente. Roberto, tu talvez não percebas o quanto és importante pra tantas pessoas que desconheces fora do vídeo e da rádio. Sempre fostes um dos meus ídolos. Um beijo no teu coração e que Jesus te ilumine sempre. Do teu fã, Altair que tanto te estima.
* [email protected]

Categorias: , , Tags: ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

3 respostas
  1. Luiz Francfort says:

    Altair:

    Foi uma satisfação para mim, que perdi o contato com o Roberto Alves, desde que deixei aantiga RCE (da saudosa TV Eldorado) e vim para São Paulo, ver a foto do Roberto e ler seu depoimento que confere justo valôr a esse profissional da midia catarinense que aprendi a admirar e respeitar convivendo com ele e admirando seu trabalho.

    Faço minhas suas palavras !

    Um abração para ti e para o Roberto.

    Luiz.

  2. Ferreira says:

    Caro Roberto,

    Você é sem dúvida o melhor e mais creditado reporter esportivo de SC.
    Sou seu fâ, tive oportunidade de jogar com você no campo do Paula Ramos/ Independente e da Polícia Militar de SC, além de algumas partidas de Futebol socyte.
    Afinal quando vamos avisar aos americanos que o Ditador Delfim esta a mais de 24 anos no poder?
    Abrace essa campanha!

    Ferreira

  3. Altair Carvalho Fernandes says:

    Hoje perto de fazer 6 anos que publiquei minhas honrarias ao grande Roberto Alves, que continua a todo vapor nas colunas do DC, RBSTV, CBN-DIARIO, ainda ecoa no meu coracao a admiracao por ele, seus comentarios vibrantes, sua categoria primaz faz e dar o exemplo pra todos que comecam nesta carreira linda de jornalista, radialista, etc.
    Honras ao grande Imperador ROBERTO ALVES, porque quem nasce principe vira Imperador nestas ondas sonoras do radio, TV e Jornal.
    Obrigado Roberto Alves, Deus te ilumine.

    Do seu admirador eterno.

    Altair Carvalho Fernandes
    [email protected]

    PS. Ainda nao o conheco pessoalmente.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *