Ruínas

E por falar em Preservação do Patrimônio, publico o texto da amiga Irene Serra, escritora, editora da Revista Rio Total.

irene

 

Ruínas

Das cidades que morrem sempre resta um punhado de pedras desunidas.

Aqui, portais; ali, florões em festas nas paredes já negras e fendidas.

Neste caminho, pórticos; e nesta sucessão de belezas consumidas, a hera suspensa dos jarrões empresta um tom de vida às mortas avenidas.

Se eu pudesse nos versos que componho imprimir as centelhas do meu sonho, faria catedrais, coisas divinas!

Porém, negando ao verso o meu segredo, somente evoco as pedras do lajedo e o claustro frio de um convento em ruínas.

Por Irene Serra

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *