Salimen Júnior e a internet

Com frequência, eu me pergunto como serão chamados os profissionais do futuro se vários arautos das maravilhas tecnológicas falam, hoje, na necessidade crescente de comunicadores multimídia. Se todos vão ser assim talvez se perca a necessidade deste adjetivo. Até porque, quem de nós, os nascidos no mundo analógico, foi em essência de um único meio ou função? Será que já éramos multimídia e ninguém havia pespegado esta palavra danada na gente?

Talvez, tenhamos sido, com certeza, de um único salário para muitas coisas. Estes pensamentos me vêm à cabeça quando um dos nomes mais importantes, para listar algumas das suas áreas de atuação, do rádio espetáculo, da narração esportiva, da televisão e da publicidade adentra o terreno da internet. Ele, que era chamado de animador-galã, nos tempos das novelas e dos auditórios da Farroupilha; que passou para a TV, como funcionário primeiro e, depois, empreendedor, um dos responsáveis pela grande aventura da Difusora, canal 10 de Porto Alegre alçar-se em rede nacional; que pintou e bordou na publicidade; pois José Salimen Júnior agora é site. Está lá, aos 75 anos, bastando digitar http://www.salimen.com.br/.

No site de Salimen, fora as notícias, há espaço para colunistas que abordam da saúde à política, passando pela moda e diversos outros assuntos. Está lá também a versão eletrônica da seção Business’n’business, que ele mantém há anos no Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Não é a primeira ousadia do ano, envolvendo este profissional de comunicação. Antes, no primeiro semestre, Carla Santos lançou o livro “Salimen, uma história escrita em cores”, sem dúvida uma das edições mais bonitas envolvendo a memória da comunicação no Sul do país.

Salimen começou, aos 16 anos, na locução esportiva da Rádio Cultura, de Pelotas. Em paralelo, trabalhava no jornal Opinião Pública. De 1954 a 1963, foi um dos principais nomes do elenco da então PRH-2, em Porto Alegre, brilhando, em especial, na condução do Vesperal Farroupilha. Da emissora dos Diários Associados, transferiu-se para a Gaúcha. De lá, saiu para a empreitada de ser um dos gestores da TV Difusora, junto com Walmor Bergesch. Na emissora, protagonizou um lance histórico: a primeira transmissão em cores do país durante a Festa da Uva, em Caxias do Sul, no dia 19 de fevereiro de 1972. Fora isto, capitaneou a montagem de uma rede nacional, incluindo, além do canal 10, emissoras em São Paulo e no Rio. Passou por agências de publicidade e empresas diversas.

Com tudo isto, a pergunta é: Salimen sempre foi multimídia ou se transformou em multimídia agora, quando passa a ter um site na internet? Eu fico com a primeira hipótese. E vale para muita gente que anda por aí há um tempão, muito antes da internet surgir, de início com “I” maiúsculo e, depois, virando substantivo comum.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *