Silêncio: o Pick-Up do Pica-Pau segue o seu caminho

Comunico a todos o falecimento de meu querido pai Walter Silva, conhecido no Brasil inteiro como Pica-Pau. Um homem bom, dedicado ao amor, aos filhos, à mulher, à música. À boa música brasileira. Por Celina Silva*

Foi ele o responsável pela divulgação, produção de shows e discos de artistas como Elis Regina, João Gilberto, Chico Buarque, Maysa. Entre tantos outros. Seu trabalho é reconhecido pelos mais humildes, somente pelos mais humildes, e somente por isto é, com muita certeza agora, reconhecido por Deus, pela Luz que nos ilumina.

Desejo a todos que o tocaram para fora de seus quadros funcionais, a todos que o sacanearam, a todos que não tiveram a coragem e a grandeza de dar a ele o sossego e a paz tão merecidos que aprendam a conviver, que aprendam a amar, que aprendam principalmente a respeitar quem tem competência.

Desencarnou às 12h05 de hoje, sexta-feira, dia 27 de fevereiro de 2009. Mesmo dia do aniversário de sua avó Mariana, que o criou e tanto o amou. Junta-se ele agora a Elis e a Tom Jobim, levado por ele ao Carnegie Hall para mostrar aos Sinatras do mundo que a melhor música do planeta se faz aqui nesta terra. E que ele, por obra e graça divinas, por puro talento, aprendeu a conhecer profundamente e a divulgá-la com maestria e competência única no programa de maior audiência que a rádio brasileira já teve: o Pick-Up do Pica-Pau.

Está lá no Céu agora, acima dos aviões, dos condores, das crenças e dos preconceitos. Nos braços da Paz. No colinho de Deus.
 
*Celina Marya Pereza da Silva, filha de Walter Silva, irmã de Waltinho, Carlos Eduardo e Rodrigo, marido de Déa.

Carreira
Walter Silva iniciou sua carreira como radialista em 1952, na Rádio Piratininga. Grande fã de MPB, teve papel importante na produção musical de nomes como Gilberto Gil, Elis Regina e Secos e Molhados.

Em 1957, acabou como diretor de divulgação da RGE, em São Paulo, responsável pelo setor de divulgação fonográfica. Também naquele ano, filiou-se ao Sindicato como jornalista profissional.

Em 1960, conquistou o prêmio de melhor repórter esportivo da televisão pela TV Tupi. Foi ele o primeiro a narrar um jogo de futebol americano na América Latina.

Como produtor musical, trabalhou com Chico Buarque na produção de “Pedro Pedreiro”, primeiro disco do cantor. Também foi dele a produção do disco “Dois na Bossa” com Elis Regina, Jair e Jongo Trio, o primeiro disco brasileiro a vender um milhão de cópias.

Em 1970, Walter Silva assumiu a direção artística da gravadora Continental. Já em 1975, foi dirigiu o programa “Fantástico”, da Globo, e atuou como narrador de futebol.

Seu último programa de rádio foi o “Acervo Walter Silva”, na Rádio Cultura, de São Paulo, no ar até dezembro de 2008.

3 respostas
  1. J.Pimentel says:

    Quero também prestar minha homenagem ao colega e amigo Walter Silva. Fui seu ouvinte e fã antes mesmo de trabalhar em rádio. Em 1970 fomos juntos para Curitiba, a convite de Heraldo Evans Jr. para apresentarmos programas na PRB2. Walter queria uma casa grande, com jardim, para ele e sua familia. Chegamos a procurar em diversos bairros. Mas logo depois, ao perceber que o projeto não era consistente, desistiu, voltou para S.Paulo, quando assumiu a gravadora Continental. Companheiro e bom profissional me aconselhou também a não ficar por lá, mas apoiou minha decisão em contrário, conversando longamente comigo sobre a insegurança de nossa profissão, isso na sala de recepção do Hotel Presidente.Eu, ainda começando, ele já experiente. Eu, seu fã. Ele um ídolo decepcionado com as incompreensões de nossa profissão. O PICAPE DO PICAPAU será sempre uma grande marca sua no rádio brasileiro. Minha profunda saudade neste momento, saudade por não ter dito em tempo o quanto o admirei.

  2. walter filho says:

    Celina,Lauro Müller é o nome de um pequeno município de Santa Catarina que fica no pé da encantadora serra do Rio do Rastro,sul do estado,onde nasci.Pois foi neste lugar, que de segunda a sexta ,com ruído ou sem ruído,na rádio Bandeirantes-SP,eu ouvia seu pai.Ah, e como era bom ouví-lo fazendo “rádio por amor ao rádio”(como diria Helio Ribeiro)informando,criticando,ironizando,comunicando e detonando,sempre que dava,o regime militar .Afinal, Walter Silva ,meu Xará,tinha na qualidade de seus comentários o sonho da liberdade de expressão!Pra mim,seu ouvinte,foi a grande herança que me deixou.Que deixou a todos nós que tivemos a honra de ouvir o PICK-UP DO PICA-PAU na Banda da BANDEIRANTES,com o seu criador e comandante WALTER SILVA !!!Seu pai,Celina,morreu no dia em que meu saudoso pai,também Walter,nasceu ,27 de fevereiro.Ele também era seu fã.Lamento profundamente, e se um dia ele foi injustiçado,por favor,não esqueça :é melhor sofrer uma injustiça do que cometê-la.Parabéns pelo Pai e Amigo que vocês tiveram.Ele foi celebridade do rádio brasileiro.Abraços.

  3. Jair Alves (Raimundo Jacó - 1978) says:

    Querida Celina,

    Somente agora encontrei um contato seu para lembrar nosso querido Walter (Pica-Pau) Silva, e também para te desejar um grande e felíz Natal, mesmo sem a presença exuberante do W.S.

    Em 2000 ganhamos juntos o Premio Herzog mas também não consegui te encotrar naquele imenso teatro do Memorial….Tudo em atraso, né.

    Me procure, por favor, tenho assuntos urgentes para te consultar.

    Oh Vaqueiro do meu Sertão,

    Não despreze o seu jibão…….

    beijo

    jair

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *