Situação do lixo espacial é cada vez mais grave

MILTON – Bom dia, Ethevaldo, como vai?

ETHEVALDO: Bom dia, Milton, bom dia, ouvintes. Tudo ótimo.

MILTON – Ethevaldo, existe alguma boa notícia na área de lixo espacial?

ETHEVALDO – A rigor, Milton, a situação é cada vez mais grave e o mundo não reage diante do problema. O que existe agora é uma pequena esperança.

MILTON – Explique o agravamento do problema, primeiro.

ETHEVALDO: O fato mais preocupante, Milton, é a existência de mais de 500 mil destroços, detritos, peças, partes de foguetes, satélites desativados e objetos de todos os tamanhos girando em torno da Terra.

Esse é “lixo espacial” acumulado nos últimos 50 anos – uma verdadeira montanha de objetos descartados – que é rastreada à medida que circula em todo da Terra.

E quem assistiu ao filme GRAVIDADE, sabe os riscos que trazem esses destroços e fragmentos que viajam à velocidade de 28.480 km por hora, com força suficiente causar estragos em satélites ou em veículos espaciais.

MILTON – E qual é a pequena esperança que você disse existir nessa área?

ETHEVALDO: Pela primeira vez, agências espaciais como a NASA e a russa Roscosmos estão preocupadas com o problema e desenvolvem meios de recolher o lixo espacial.

Nesse ponto, os russos estão mais avançados e investem numa espaçonave que vai coletar destroços na órbita geoestacionária, que é a mais alta e onde se posicionam os satélites de comunicações.

MILTON – Até amanhã.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *