SOUZA MIRANDA: A VOZ DO RÁDIO

Ele pode ser considerado daquelas pessoas que nascem com talentos para determinada atividade. Osvaldo de Souza Miranda nasceu para ser locutor de Rádio. Desde cedo revelou características e gosto pelo microfone. Menino, ainda, exibia uma voz forte, bem modulada e diferente de seus amigos de infância. Falava claro e com voz de locutor – era o que diziam. E era o que de fato acontecia.
Por Jamur Júnior

Miranda aos 16 anos de idade começou sua vitoriosa carreira de radialista na cidade de Paranaguá, onde enfrentou pela primeira vez o microfone da Rádio Difusora, a terceira emissora criada no estado, em 1944. Subiu a Serra do Mar com objetivo de ganhar seu espaço na radiofonia mais avançada do país, conquistando admiradores dentro e fora das emissoras de rádio.
Foi um dos mais festejados locutores de sua época, atuando como noticiarista, apresentador de programas, figurando entre os mais conceituados profissionais do microfone. Criou um dos programas mais famosos da época, “Rosa de Tango”, onde declamava com invejável inspiração poesias de J. G. de Araújo Jorge. Correto, firme na locução, raramente errava na leitura de qualquer texto. Era, também, considerado um dos mais perfeitos locutores comerciais. Gravou dezenas de textos comerciais das mais famosas lojas brasileiras.


Miranda com a filha Soraya de três anos recepciona o cantor Ronie Von,
na rádio Santa Catarina de Florianópolis, em 1968.

Depois de longo tempo atuando nas emissoras mais importantes de Rio de Janeiro e São Paulo, escolheu Florianópolis para dedicar seus melhores anos na atividade que abraçou com paixão. Na Radio Diário da Manhã destacou-se como um dos melhores locutores que passaram pelo microfone famoso da Ilha da Magia. Mas, como ninguém é tão perfeito que um dia não cometa um pequeno erro que seja, conta-se que Osvaldo Miranda certa noite surpreendeu os freqüentadores da Boate Plaza e os ouvintes da Diário da Manhã. 
A emissora dirigida por Aldo Silva, transmitia, ao vivo, do Hotel Plaza um programa intitulado, “Ritmos do Plaza”, onde se destacava o Conjunto Musical de Mirandinha, uma das figuras mais expressivas da musica catarinense. A função do locutor durante essa transmissão, era identificar a emissora e ler o texto comercial do patrocinador, Café Amélia, que tinha um slogan muito conhecido; “Café Amélia, TORRADO, MOIDO E EMPACOTADO NO MESMO DIA”, Geralmente o profissional destacado para a missão, pegava seu microfone, lia o texto e dava o prefixo da Radio Diário da Manha, em voz baixa que os freqüentadores da boate nem percebiam.
Mas, quando Miranda era o escalado para a transmissão, as coisas aconteciam de maneira diferente. Com sua voz potente e muito bonita invadindo todos os cantos da boate, chamava a atenção do público que ouvia perfeitamente e com admiração a bela locução que realizava.
Nessa noite memorável de um verão com altas temperaturas, Miranda e alguns colegas exageraram na cerveja gelada, logo no inicio da transmissão. Quando chegou a hora de dar o prefixo da emissora e ler o texto do Café Amélia aconteceu o desastre. Com sua bela voz, Miranda disse em alto e bom som;
“Esta é a Diário da Manha, transmitindo Ritmos do Plaza, patrocínio do Café Amélia; TORRIDO MOADO E EMPACOTIDO NO MESMO DIA’”.
Da Redação:
Souza Miranda é um dos locutores recordistas em tempo de atuação ininterrupta do rádio brasileiro. Em 2007 vai completar 79 anos de idade e 63 de microfone. Atualmente produz e apresenta na Rádio Difusora AM 1060 de Florianópolis o programa Tarde Legal, de segunda a sexta-feira, das 13h00 às 15h00. Sua popularidade é tal que um grupo de fãs se organizou e realiza encontro entre ouvintes, pelo menos uma vez por mês. Miranda manteve por muitos anos e em várias emissoras em que trabalhou, outros dois famosos programas radiofônicos: Rosa de Tangos e Souza Miranda Show.
Outras fontes:
:: Ricardo Medeiros e Lúcia Helena Vieira. História do Rádio em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 1999. P. 63 e 68.
:: Jamur Júnior. Sintonia fina – histórias do rádio. Curitiba: Sesquicentenário, 2004. P. 45 e 46.
:: Antunes Severo e Ricardo Medeiros. Caros Ouvintes – Os 60 anos do rádio em Florianópolis. Insular / ACI, 2005. P. 75, 90 e 102.
:: Jamur Júnior
Matérias publicadas no portal Caros Ouvintes
SOUZA MIRANDA
Osvaldo Souza Miranda nasceu em 22/07/1928 em Morretes, PR
Formação profissional: radialista e jornalista provisionado.
Por Antunes Severo
SOUZA MIRANDA, O PEREGRINO DO RÁDIO
Em cinqüenta anos de carreira Souza Miranda trabalhou em dezenas de rádios do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. Apaixonado por uma Catarina ancorou na e vive aqui neste “pedacinho de terra perdido no mar”, como diria o poeta Zininho.
Por Antunes Severo
CAROS OUVINTES NA CASA DO JORNALISTA
Antunes Severo e Ricardo Medeiros, autores do livro Caros Ouvintes – Os 60 anos do Rádio em Florianópolis, foram os convidados da Casa do Jornalista para falar do projeto Caros Ouvintes no coquetel de confraternização de final de ano realizado na última terça-feira.
Da Redação com fotos de Cida Schmidt
SINTONIA FINA – HISTÓRIAS DO RÁDIO
O paranaense Jamur Júnior lança segundo livro e desta vez fala do rádio e de seus personagens, alguns muito conhecidos do público catarinense.
Da Redação.
DIÁRIO DA MANHÃ: 50 ANOS
A história da Rádio Diário da Manhã começa com a constituição de uma firma, na forma de sociedade limitada, em 1º de agosto de 1952, por iniciativa do então empresário e político Irineu Bornhausen.
Por Antunes Severo, de Florianópolis
LÍNGUA DE RADIALISTA
Que coisa maravilhosa, amigo. Aí teremos “Navio Negreiro” de Castro Alves… Andrada arranca esse pendão dos ares, Colombo, fecha a porta dos teus mares!
Por Odemar Costa, de Urussanga
NOSTALGIA
Na década de 50, auge da radiofonia brasileira, quando a Rádio Nacional do Rio de Janeiro lotava de alegria seu auditório e milhares lares através de suas ondas curtas, o samba e as canções de amor dominavam o repertório do cancioneiro nacional. Orlando Silva, Silvio Caldas, Francisco Alves, Ângela Maria, Emilinha, Elizeth Cardoso, entre tantos outros, eram ídolos em todos os cantos do nosso país. Da mesma forma locutores e atores das famosas novelas radiofônicas eram figuras populares e amadas pelos ouvintes.
Por Jamur Júnior
BAIRRO DO ESTREITO E ALÔ SÃO JOSÉ: OS PROGRAMAS QUE MUDARAM O RÁDIO NA CAPITAL
A Rádio Guarujá de Florianópolis reinou sozinha nos seus primeiros 12 anos de atividades. Nesse período a ZYJ-7 evoluiu dos programas de oferecimentos musicais e das edições esportivas aos grandes shows de auditório e ao radioteatro. Era a líder local, contra a audiência – ainda grande – das emissoras cariocas, paulistas, paranaenses, gaúchas, uruguaias e argentinas.
Por Antunes Severo
QUATRO ASES E UM CORINGA
Tenho uma amiga que não se cansava de dizer: ai, eu adoro Os Quatro Asas de Um Coringa. Até que um dia ela descobriu que o conjunto vocal e instrumental de sua paixão se chamava mesmo era Quatro Ases e Um Coringa. Inspirado na carreira e no astral dos rapazes do nordeste hoje falo de outros Quatro Ases e Um Coringa: os sulistas Manoel Corrêa, o ‘seu’ Maneca, Ramiro Gregório da Silva, Souza Miranda, Valmor Silva e Walter Souza.
Por Antunes Severo


{moscomment}

1 responder
  1. jorge sampaio says:

    Daew seu souza miranda eu sou aquele locutor de loja que nunca deicha o sr. passar despercebido na frente das lojas onde estou atuando. um abração deste modesto locutor de lojas (Jorge sampaio)

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *