TV Catarina apresenta: Flávio de Almeida Coelho – 1

“Pera lá, eu estou cuidando de televisão no Paraná e Santa Catarina não tem nada!”. A exclamação de Flávio Coelho marca o início da jornada que levou à fundação da TV Coligadas de Blumenau em 1969.

A história, ou pelo menos a memória da televisão em Santa Catarina, também tem registros pitorescos como os ocorridos na TV brasileira. Um deles é que o cemitério de Joinville serviu de apoio à rede de repetidoras que transportaria o sinal das emissoras do Paraná para Blumenau e região.

“O objetivo era chegar aqui (em Blumenau). Aí a primeira experiência para a instalação das repetidoras foi muito interessante. O melhor ponto de recepção de sinal era num cemitério velho desativado (em Joinville) atrás da Casa de Saúde Dona Helena. E o melhor ponto era próximo da sepultura de um cidadão que se chamou Jacó… E aí freira a (nome em alemão), protestante nos autorizou a colocar a torre naquele lugar”. O autor da façanha e do depoimento é Flávio de Almeida Coelho que é catarinense e à época trabalhava para uma emissora de Curitiba.

O projeto de trazer sinais das emissoras de televisão do Paraná para Santa Catarina – que é simultâneo ao capitaneado por Darci Lopes em Florianópolis – é, entretanto, bastante diferente. No caso da Capital os interessados eram daqui e precisaram convencer os dirigentes das TVs Piratini e Gaúcha a ceder o sinal; enquanto no caso paranaense o Flávio Coelho trabalhava na TV Paraná e bastou apenas levantar a lebre. Contando com o apoio dos dirigentes da emissora criaram uma Sucursal dos Diários e Emissoras Associados em Santa Catarina e ele foi designado para dirigi-la.

Outro fator favorável foi o fato de que Flávio Coelho trabalhava em Curitiba, mas residia em Blumenau onde permanecia sua família. Outro aspecto que ajudou bastante foi a adesão imediata do prefeito Nilson Bender de Joinville, que está a 130 quilômetros da capital paranaense e a menos de 150 quilômetros de Blumenau. Acresça-se o fato de que também as características topográficas favoreciam a repetição do sinal com apenas dois enlaces: um na parte mais alta de Joinville (o cemitério) e o outro no Morro do Cachorro em Blumenau. Com essas duas repetidoras as regiões Norte e Vale do Itajaí passaram a receber sinais de áudio e vídeo de boa qualidade e alto nível de confiabilidade.

Em boa parte esses resultados foram possíveis graças a experiência do próprio Flávio nesse setor. Na entrevista concedida ao Caros Ouvintes ele lembra que por volta de 1959 fizera amizade com Ronald Stresser, um dos dirigentes da TV Paraná: “Aí voltei pra Curitiba e conheci o então diretor superintendente dos Diários e Emissoras Associados do Paraná que havia se formado em Direito com duas das minhas irmãs. Na mesma turma tinha o Ronald Stresser. Com o Ronald tive uma amizade pessoal, muito íntima, muito afetiva inclusive. E ele me convidou para cuidar da implantação de uma rede de repetidoras de televisão no Paraná. Porque eles tinham a televisão Paraná em Curitiba e abriram a Tv Coroados de Londrina. E eu participei da implantação da TV Coroados. E aí organizei a malha da rede de repetidoras da TV Coroados no norte do Paraná”.

Na próxima semana: a corrida pela instalação da primeira emissora de TV do Estado.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *