TV Catarina apresenta… – 4

“A economia catarinense deverá se comportar como no ano de 78”. Esta é a chamada da matéria que apresenta o depoimento do empresário Bernardo Wolfgang Werner, então presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, por ocasião do início de operações da TV Catarinense de Florianópolis.

A introdução da matéria publicada na edição especial do house Horgan RECADO da RBS informa que o presidente “fala aqui sobre o desenvolvimento industrial e o desenvolvimento da economia catarinense, abordando, entre outras coisas, a importância da televisão como veículo de comunicação de massa, suas perspectivas e os benefícios que traz ao próprio Estado”.

Segue a matéria na íntegra:

Bernardo W Werner

Bernardo W Werner

“Santa Catarina desponta como um estado eminentemente industrial”. Quem faz essa afirmação é Bernardo Wolfgang Werner, presidente da FIESC.
“Nosso Estado se compõe preferencialmente de setores secundários. E acrescenta
– Nós temos, no total, 250 mil operários e 1.060.000 pessoas têm participação ativa na economia.  O ano de 1978 foi excepcional para a indústria têxtil de Santa Catarina, uma das indústrias mais importantes do Estado. Foi o melhor ano desde que se conhece a indústria têxtil no país. Outros setores, como o da indústria metal mecânica e o da metalurgia não tiveram esse êxito, mas no cômputo geral todas as indústrias tiveram um desempenho bom em 1978, com previsão de ter esse desempenho – ou até melhor percentualmente – para o ano de 1979. Por isso, vemos a economia do Estado com certo otimismo.

Dia 1º de maio entram no ar as imagens geradas pela TV Catarinense. Bernardo Wolfgang Werner acha isso muito importante e explica que “todos os órgãos de comunicação social, especialmente a televisão, são extremamente importantes, seja na instrução, n laser, ou seja na própria informação:

– É um tipo de comunicação visual que penetra em todos os lares e pode, assim, influenciar a opinião pública.

A importância da televisão na economia é, segundo Bernardo, ainda mais importante: “Realmente, é um veículo de grande divulgação e uma propaganda adequada para os produtos oferecidos resulta, em última análise, em benefício para a economia do nosso Estado. Como presidente da FIESC ressalto que recebemos  com muita satisfação a entrada no ar da TV Catarinense e eu, pessoalmente, tive grande prazer em visitar suas instalações, ficando impressionado com suas instalações e com as possibilidades que ela abre no campo da comunicação”.

Encerrando essa série de depoimentos, destaco o cuidado e a competência com que a equipe da RBS apresentou-se em Santa Catarina ao citar três frases do editorial incluído na publicação que serviu de fonte para esta parte deste trabalho:

“Para a Rede Brasil Sul de Comunicações, operar em Santa Catarina tem o sentido de uma exigência gratificada, o de uma reserva potencial que se põe em ação e o de um projeto que se converte em realidade”.

“Por isso disse: estava escrito que a Rede Brasil Sul de Comunicações operaria em Santa Catarina; estava escrito porque estava no nome, podem observar”.

“Para a rede Brasil Sul de Comunicações estar em Santa Catarina é estar em casa; conviver com o povo de Santa Catarina é reunião de família”.

Fonte: RECADO. Ano um – número sete. Abril de 1979. Editor: E. Mesch. Redação: Clarice Flores Ledur. Arte: Orlando Barbiani, Gilberto Soares, César Goulart. Uma publicação da REDE BRASIL SUL. Av. Ipiranga, 1075. Porto Alegre – RS

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *