Um Conselho

O Brasil busca ser membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, hoje privilégio exclusivo dos EUA, Rússia, França, Inglaterra e China. Para quê? Segundo o artigo 27 da Carta das Nações Unidas, um único membro permanente pode vetar decisões tomadas por nove ou mais de seus componentes, inclusive dos outros quatro! Assim, os membros eleitos – dez, com mandatos de dois anos – são meros coadjuvantes. Há propostas de reforma, que preveem inclusão de países da Ásia, América do Sul, Europa e África nesse “seleto” grupo permanente. Índia, Japão, Alemanha e Brasil encabeçam os pleiteantes. Brasil e Japão, aliás, são os países que mais foram eleitos: dez vezes cada.

Objeções?

Japão e Alemanha, apesar da importância econômica, ainda expiam pecados da II Guerra Mundial, tanto que ainda há bases militares dos EUA neles instaladas.
Os constantes atritos entre Índia e Paquistão, ambos nucleares, não ajudam as pretensões de indianas.

Quando à África, esse Continente parece ainda estar muito distante de resolver seus próprios conflitos, para aspirar posto de árbitro de contenciosos internacionais.

E quanto ao Brasil?

Somos uma nação tradicionalmente defensora da autodeterminação dos povos.
Autodeterminação dos povos? Bem, se de fato a defendemos, não deveríamos concordar com a existência do Conselho de Segurança da ONU, ao menos nos moldes em que se apresenta. Além disso, as decisões desse fórum não parecem inibir os que têm poder de veto, tanto que já tivemos casos em que alguns, ao não obterem respaldo da entidade para suas intenções, agiram à revelia, vide: Vietnã, Iraque, Afeganistão e Chechênia.

Mas, mesmo o Brasil tendo esse perfil pacifista, simpático e pujante, porque há tanta resistência à sua entrada no Conselho? Da Argentina é compreensível. Mas há o paradoxo da China, que nos quer como parceiros econômicos de primeira linha, defensores de seu reconhecimento como “economia de mercado”, mas não apóiam nosso pleito. Os EUA ainda nos enxergam como “quintal”; o mundo, como celeiro.
 
Falta-nos o argumento do poderio nuclear?
 
Ocorre que assinamos tratados de não-proliferação de armas nucleares e somos regularmente “monitorados” em nossos projetos, mesmo para uso pacífico.
 
O fato é que os cinco não abrirão mão de sua exclusividade, pois para eles o Conselho de Segurança é um “olimpo”, instrumento de perpetuação do poder, lembrando que todos são grandes produtores e exportadores, diretos ou indiretos, de armamentos, que municiam conflitos sangrentos, pelo mundo afora.

Então, porque não mudar de estratégia e, em vez de buscar apoio para ser membro permanente de um Conselho onde poderá decidir contra quem o elegeu, articular sua extinção?

Será que o poder de veto dos cinco também valeria numa Assembleia Geral?

O mundo mudou muito nas últimas décadas: os desafios são outros e maiores.
A extinção do Conselho de Segurança da ONU talvez seja um caminho mais rápido, democrático e pacífico para o diálogo e congraçamento entre os povos.
 

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa e Comportamento) | Caso queira receber gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas, Dest’Arte e Claras Visões, basta solicitar pelos e-mails: [email protected] e [email protected] | Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 | (13) 97723538

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *