Um grande pioneiro

Num tempo em que os governos viviam mais de obras do que de propaganda e marketing, as emissoras de rádio penavam em busca de faturamento na iniciativa privada. Ser amigo de governantes, nem sempre significava mais dinheiro no caixa. A aproximação com políticos, na maioria das vezes, apenas facilitava o acesso aos órgãos encarregados de conceder canais de rádio. Um bom  exemplo disso foi Nagibe Chede, um dos maiores radialistas do Paraná, pioneiro da televisão.

Chede funda a Rádio Emissora ParanaenseNascido em Palmeira, desde criança se interessou pelo rádio. Costumava ouvir, com muitos chiados, emissoras de rádio de localidades muito distantes. Ainda jovem transferiu-se pra Curitiba com objetivo de dar continuidade a seus estudos. Formou-se em Direito, mas não perdeu a paixão pelo rádio.

Em 1949 com ajuda de amigos políticos, conseguiu um canal de onda média e inaugurou a Rádio Emissora Paranaense. Instalada no município vizinho de São José dos Pinhais, a ZYZ-9 entrou no ar numa época em que a disputa pela audiência envolvia a Rádio Clube, a Guairacá e a Marumby, todas muito bem estruturadas e com grandes equipes de bons profissionais.

Para enfrentar a forte concorrência, Nagibe Chede montou um elenco de radialistas experientes e famosos. Um dos profissionais chamados para a nova rádio foi João Lídio Seiler(DIDE) Bettega. Criativo, inovador e audacioso, era exatamente o tipo do radialista que Chede precisava na sua emissora.

A primeira mudança na programação deu excelente resultado. Dide Bettega passou a transmitir 25  minutos de música com apenas cinco minutos de intervalo comercial. Muita música brasileira e os principais sucessos internacionais com algumas entradas do tenor italiano Mario Lanza.

Nagibe Chede era admirador do grande tenor e fazia questão de incluir o italiano na programação. Na década de 50 somente a Rádio Clube Paranaense transmitia em Onda Média e Onda Curta. Com potentes transmissores de 49 metros era ouvida em quase todo o Brasil.

Nesse tempo, com poucas rádios no interior, as grandes emissoras disputavam audiência em qualquer cantinho do país.  Chede decidiu  conquistar  um espaço entre as rádios de longo alcance. Em 1954 o presidente Café Filho chegou a Curitiba para a inauguração do Palácio Iguaçu, construído pelo governador Bento Munhoz da Rocha Neto.

Na solenidade com a presença das maiores autoridades do país, estava a diretoria da ZYZ-9. Dide Bettega ao lado de Nagibe Chede entregou ao presidente uma lembrança da visita. Na seqüência Nagibe se aproximou e pediu a liberação de uma Onda Curta para sua emissora. Café filho chamou o ajudante de ordem, um major do Exército,  e mandou que anotasse o pedido. Pouco tempo depois à rádio de Nagibe Chede transmitia para todo o país através de Onda Curta de 31 metros.

Um dos primeiros programas transmitidos em 31 metros fez sucesso no exterior e passou a interessar ao Itamaraty. Bettega programou uma seleção de músicas brasileiras para serem ouvidas fora de nossas fronteiras, com os locutores anunciando em vários idiomas.

João Schereiber, um alemão naturalizado brasileiro, técnico em manutenção de equipamentos anunciava na língua que conhecia muito bem. Para os franceses a locução era feita  por Máxime Charles Barrault, representante comercial da Ranault no Paraná.

Francisco Albizou, funcionário do Centro Cultural Brasil-Estados Unidos anunciava em inglês. Por fim foi colocado na equipe um “locutor polonês”. Este era o porteiro da emissora, um polaco simpático e comunicativo que atendia pelo apelido de Micacho. Fez tanto sucesso que o Instituo Nacional do Mate passou a patrocinar o programa, considerado, na época, uma das melhores iniciativas para divulgação do Brasil no exterior.

Do livro Sintonia Fina

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *