Uma garota diferente

Sem entrar no campo minado do julgamento, preconceito ou qualquer outra idiossincrasia, Neide Maria Rosa, nascida na Rua Menino Deus – aquela que sobe até o Hospital de Caridade, em Florianópolis – foi e continuou sendo por toda vida uma pessoa, simples, afetiva, mas comedida; parceira mas não comprometida.

Neide Maria, grava a versão original do Rancho do Amor à Ilha, hino oficial de Florianópolis, em São Paulo

Mesmo quando foi trabalhar no Rio de Janeiro a convite da extraordinária Elizeth Cardoso e que aceitou se chamar Neide Mariarrosa, por obra e graça de Estanislau Ponte Preta, um dos colunistas mais influente do Rio de Janeiro da época, a Neide não mudou. Pelo contrário, consolidou sua independência e integridade pessoal ao rejeitar contratos milionários que sugeriam a submissão à certas práticas usadas por empresários inescrupulosos quando se tratava de profissionais do sexo feminino.

Pois a Neide que saiu daqui vitoriosa em sua carreira multimídia, quando essa palavra nem era conhecida, retornou a mulher madura, carinhosa e delicada que se impunha pela graça dos seus gestos e firmeza de sua individualidade.

Cantora, locutora e radioatriz Neide fazia personagens desde garotas adolescentes a damas-galã (mocinhas); e de velhotas rabugentas a diferentes vozes de crianças, fossem meninas ou meninos.

Neide Maria Rosa, ou Mariarrosa – como queria Estanislau Ponte Preta – dama maior do rádio e da música popular brasileira, hoje, quinta-feira, 11/4, estaria completando 77 anos de vida, não estivesse na eternidade.

O lançamento do LP (Compacto, 33 1/3 rpm) com a versão original do Rancho do Amor à Ilha, de autoria de Cláudio Alvim Barbosa/Zininho e interpretada por Neide Maria Rosa, foi uma iniciativa da A.S. Propague – agência de propaganda de Antunes Severo e Rozendo Lima, em julho de 1968. O projeto foi aprovado pela Prefeitura Municipal de Florianópolis, administração Acácio Garibaldi Santhiago e patrocinado pela Diretoria de Turismo e Comunicações. Foram gravadas duas versões. Lado A:  com Neide Maria Rosa e Os Titulares do Ritmo com Orquestra do Maestro Carlos Castilho. Lado B: Orquestra sob a regência do Maestro Carlos Castilho.

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] sendo por toda vida uma pessoa, simples, afetiva, mas comedida; parceira mas não comprometida. Leia mais. […]

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *