Voz do Brasil 75 anos

No dia 22 de abril, a “A Voz do Brasil” completou 75 anos.  A primeira emissora de Santa Catarina e a quarta de uma cidade do interior brasileiro, a Rádio Clube de Blumenau já estava no ar quando o informativo radiofônico caracterizado pela música “O Guarani” foi criado no governo Getúlio Vargas em 1935. O mais antigo programa de radiodifusão – A Voz do Brasil – inicialmente chamado de “Programa Nacional”. De 1934 a1962 o noticioso era levado ao ar com o nome de “Hora do Brasil”. Nos primeiros 25 anos, apenas atos do Poder Executivo eram divulgados. O perfil editorial sofreu mudança em 1962, quando o Congresso Nacional passou a integrar o noticiário na segunda meia hora do programa.

Ainda em 1962 aconteceu a mudança de nome, passando a denominar-se “Voz do Brasil”.
A partir de 1945 o programa era gerado pela Agência Nacional, órgão do Departamento Nacional de Informações, que substituiu o Departamento de Imprensa Nacional. Após 31 de março de 1964, no governo militar, a Agência Nacional passou a integrar o Gabinete Civil da Presidência na República.

Em 1979 no Governo João Figueiredo, foi criado o Ministério da Comunicação Social, sendo Ministro Said Farah e a Agência Nacional foi transformada em Empresa Brasileira de Notícias (EBN), ficando responsável pelo noticiário oficial e a geração do Programa Voz do Brasil com algumas inovações na sua linha editorial.

Em 1988 no governo Fernando Collor a EBN foi substituída pela Rádiobrás. No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2007 foi criada a EBC – Empresa Brasileira de Comunicação responsável pelo noticiário do Governo Federal e das emissoras de rádio, TV e do programa  “Voz do Brasil”.
Na década de 1960 funcionava em Florianópolis a Sucursal da Agência nacional que era comandada pelo jornalista e escritor Salim Miguel e contava com o operador de rádio Dilmo Sólon da Silveira e o fotógrafo Paulo Dutra.

Em 1964 o regime militar fechou a Sucursal e transferiu o jornalista Salim Miguel para a Central da Agência Nacional no Rio de Janeiro.

Em 1970 a Agência Nacional, vinculada ao Gabinete Civil da Presidência da República desencadeou o processo de descentralização reabrindo sucursais nas Capitais.

Em Santa Catarina através de convênio firmado com o governador Ivo Silveira foi instalada a sucursal no Estado.

No dia 01 de fevereiro de 1970, na sede da casa do jornalista, na Rua Vidal Ramos aconteceu a solenidade de assinatura do convênio firmado com o Governo de Santa Catarina. Na oportunidade o Diretor Geral da Agência Nacional, jornalista Arnaldo Lacombe e o jornalista Salim Miguel empossaram a equipe catarinense chefiada pelos jornalistas Luiz Henrique Tancredo, Eleazar Nascimento, Jorge Cherem, Osvaldo Fernandes Filho, Manoel Timóteo de Oliveira, Mario Fernando Santos Dutra, Dilmo Sólon da Silveira e Décio Sabino.

Nos primeiros meses a sucursal funcionou no térreo do Palácio Cruz e Sousa junto ao Gabinete de Relações Públicas do Governo do Estado, vinculado ao Secretário da Casa Civil, Dib Cherem.
A partir de 1971 a sucursal começou a funcionar em instalações próprias no Edifício Aplub, com serviço de telecomunicações, telex, rádio ssb / transmissão por freqüência e uma consolete de som que recebia o sinal da Voz do Brasil e através da qual era retransmitida para as emissoras de rádio da Grande Florianópolis. Também eram transmitidos os programas radiofônicos do Projeto Minerva do Mobral, elaborados pelo Ministério da Educação.

A Agência Nacional, hoje Radiobrás, sempre funcionou como uma agência noticiosa do Governo, transmitindo para a matriz o noticiário estadual e distribuindo o noticiário nacional para a imprensa do Estado.

O jornalista Manoel Timóteo de Oliveira da Acif e diretor da Associação Catarinense de Imprensa durante muitos anos atuou como operador de som da Voz do Brasil em Santa Catarina.
No final de 1970 com a implantação do fax a sucursal da EBN começou a receber a sinopse dos principais jornais do País que era entregue ao Presidente da República no café da manhã e transmitido as principais autoridades do Estado.

No período de 1960 a 1990 chefiaram a sucursal da EBN hoje Radiobrás em Santa Catarina, Salim Miguel, Luiz Henrique Tancredo, Jorge Cherem, Eleazar Nascimento, Silva Júnior, Manoel Timóteo de Oliveira, Valdir Alves, Escolástica Granjeiro e Oscar Lobo.

A sucursal da Radiobrás, hoje Empresa Brasileira de Comunicação em Santa Catarina foi extinta no Governo Collor e suas instalações estão até hoje fechadas funcionando como depósito  de um órgão público federal.

Categorias: Tags:

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

6 respostas
  1. Maria das Dores Casavechia says:

    Sou ouvinte da voz do Brasil desde os meus 5 anos de idade quando ainda morava no sítio. Quando ingressei no magistèrio como professora de jovens e adultos eu colocava o rádio na sala de aula e os alunos ouviam e depois fazíamos um comentário ou discutíamos algum assunto polêmico “aposentadoria”,”eleições”e até hoje ainda levo meu rádio não com tanta assiduidade mas uma vez por mês os alunos da E J A ainda gosta das notícias deste informativo por mais que seja antigo consegue ser muito atual.Eu sou fã.fiquei triste quando surgiu notícias que iria acabar.Mas o que é bom precisa continuar…

  2. Euripedes Dacunha says:

    FUi funcionario da Agencia Nacional ( Voz do Brasil) de 1967 ate marco de 1970. O jornalista Aenaldo Lacombe foi meu diretor. Eu era teletipisra ( operador de telex) e cinegrafista. Prestei servicos na sucursal de Sao Paulo , sede dos Diarios Associados e no Rio de Janeiro, antigo predio do BNDS. Fui perseguido na ditadura militar e pedi asilio no exterior. Hoje tenho 63 anos. Vou voltar para o Brasil. Procuro alguem que trabalhou na Voz do Brasil de 1967 a 1970. Favor deixar recados neste site. Obrigado, Euripedes Dacunha. ou [email protected]

  3. fernando says:

    Euripedes, estive na AN a partir de 72, em SP. Talvez possa ajuda-lo pois tive muito contato com a AN, dirigida pelo Lacombe, antes de 72, quando eu trabalhava na Secretaria de comunicação do Governo do Estado e na sucursal de O Globo, em SP. Não lembro de nomes, mas posso lembrar que outros fatos que poderiam servir a V.

  4. Euripedes Mendes da Cunha says:

    Senhor Fernando, por favor entre em contacto comigo, preciso saber mais a respeito dos contactos que o senhor teve com o jornalista Arnaldo Cavalcanti Lacombe. Se alguma pessoa souber de alquem que trabalhou na Agencia Nacional (Voz do Brasil qundo funcionava na Esplanada dos Ministerios Bloco 10 Ministerio da Justica.Eu fui teletipista, cinegrafista e trabalhava tambem de mensageiro entre Palacio da Alvorada, Palacio do Planalto, Granja do Torto. Por favor, quem souber de alguma coisa a respeito da Agencia Nacional e de funcionarios. Necessito localizar os arquivos dos funcionarios daquele tempo, pois necessito para contagem de tempo para aposentadoria. Ha quase dois anos que tenho enviado dezenas de cartas para diversos orgaos do governo federal e nao obtive respostas. Por favor enviem-me mensagens a respeito deste caso.
    Obrigado, Euripedes Mendes da Cunha

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *